logo:jipes Maputo - Moçambique Logo: Jipes
MAPUTO RENASCIDA

Reflexo da estabilidade política e social que se vive em Moçambique, Maputo voltou a ser um destino de sonhos e oportunidades. Acolhedora, apaixonante e cosmopolita, a cidade atrai não só turistas da Europa e da África do Sul, como oferece confiança aos investidores estrangeiros.

Texto e fotos: Paula Carvalho Silva

Durante décadas Maputo foi a cidade ideal para quem queria partir em busca de sonhos e de novas oportunidades. Hoje, é uma cidade de sonho. Para quem visita o continente africano pela primeira vez, esta é talvez a melhor porta de entrada num estilo de vida que, felizmente, não tem nada a ver com aquele a que a maioria das pessoas está habituada. O fluir da vida corre aqui a um ritmo lento, quente e compassado que facilmente trespassa o coração do forasteiro deixando-o perdidamente apaixonado por esta terra.

As grandes avenidas convidam ao passeio, de preferência a pé, e as esplanadas dos antigos cafés e das novas gelatarias tornam-se quase irresistíveis. Adoptar uma atitude descontraída é a melhor política para tudo, para além de melhorar estados de espírito, evita ainda possíveis "ataques" de pedintes ou ladrões. O andar deambulante e ocasional é francamente recomendado, guarde as jóias, incluindo relógios e óculos de sol, vai ver que não precisa deles. Em Maputo o tempo chega para tudo, mesmo quando se trabalha dez ou doze horas e o sol dá à cidade uma tonalidade diferente e mágica em todas as horas do dia. Se seguir estas recomendações as probabilidades de vir a ser molestado são ínfimas e poderá apreciar francamente melhor os pequenos prazeres da vida que, nesta parte do mundo, são os mais valorizados.

Segurança restabelecida

A segurança que se sente em Maputo deriva do facto de após 17 anos de guerra civil, os moçambicanos não quererem ouvir falar de violência, o objectivo agora é "fazer pela vida" e isso nota-se. Nota-se na simpatia e sociabilidade que os caracteriza e nota-se, também, na política do Governo moçambicano que conseguiu a muito custo manter uma estabilidade invejada pelo resto do continente africano. Isto, mesmo depois das eleições gerais multipartidárias de Dezembro de 99, cujos resultados oficiais não foram aceites pela oposição e das intempéries que assolaram as regiões Sul e Centro do país no primeiro trimestre de 2000.

Os homens de negócios renderam-se e Moçambique voltou a ser uma terra de oportunidades. O investimento é promovido pelo Governo e pelos próprios investidores, o diálogo é cada vez mais estreito entre o sector privado e os governantes. A cidade fervilha e a atmosfera é de prosperidade. Por todo o lado vêem-se restaurantes, lojas, cafés, cinemas, bares, discotecas, enfim, tudo o que caracteriza uma grande metrópole existe também em Maputo.

Apesar das impressões positivas com que se fica, a cidade sofre de alguns flagelos que ainda demorarão alguns anos a ser resolvidos: a degradação de uma boa parte dos edifícios (ainda não recuperados), a escassa recolha de lixo e os pedintes. Tudo fruto de uma economia ainda muito débil que tarda em conseguir resolver o problema das migrações massivas de pessoas para a capital durante a guerra. A maioria dos dois milhões de habitantes que vivem em Maputo e nos arredores da cidade, estão desempregados e vivem à custa do mercado negro ou "informal", conhecido localmente por "dubanengue". Nas ruas vende-se de tudo: isqueiros, tabaco, jornais, cassetes, cabides, fruta, legumes, etc... o que importa é sobreviver.

Reviver o passado

A antiga Lourenço Marques, cujos primeiros edifícios datam de 1781, é um paraíso, não só para os turistas, mas também para os que vão em viagem de negócios. Se for em trabalho, não se esqueça de reservar um pouco do seu tempo para conhecer e apreciar os principais atractivos da cidade podendo até fazê-lo na companhia do seu interlocutor, os seus negócios só poderão beneficiar com isso. A caminho de uma qualquer esplanada das avenidas mais cosmopolitas como a Julius Nyerere, a 24 de Julho, a Eduardo Mondlane ou a 25 de Setembro faça questão de passar pela catedral, junto ao hotel Rovuma; pelo Conselho Municipal, edifício de estilo neoclássico situado na praça da Independência; pela estação dos caminhos de ferro, na Praça dos Trabalhadores; ou pela fortaleza, na Praça 25 de Junho; mesmo que isso signifique um percurso mais demorado. Se a negociação estiver complicada faça um passeio pela marginal com paragem no Clube Naval para almoçar e vai ver que o gelo derreterá num instante.

Para passeios mais intimistas, o jardim Tunduro, na Av. Samora Machel, com a sua colecção de cicades e outras plantas indígenas e exóticas é um "must", bem como o Museu de História Natural, que apesar de estar bastante degradado possui uma colecção de fetos de elefante, única no mundo, um por cada mês de gestação.

Madrugar para ver o nascer do sol e cheirar a terra húmida vai reconciliá-lo com a natureza, mas cuidado, o importante é deixar vir à tona aquele lado de si mais sensível que se foi escondendo, de cada vez que teve de fazer algo que não lhe apetecia, de todas as vezes que teve que correr para uma reunião, das centenas de vezes que ao regressar a casa, já de noite, no meio de uma fila de carros, não olhou para o céu para ver se a lua ainda estava lá, deixe-se levar... o único risco que poderá correr é o de não conseguir voltar para casa.

Mas, adiar o voo de regresso vale sempre a pena, nem que seja para ir à praia da Macaneta, a 31 km a Norte de Maputo, à ilha de Inhaca, ao largo da baía, ou para melhor apreciar os prazeres que a noite maputense tem para lhe oferecer, como o bar Tchova, com um ambiente jovem e divertido. Melhor para si se for um noctívago ou se não conseguir resistir à magia da cidade, mas preste atenção, porque à noite as precauções têm de ser maiores. Arranje uma boa companhia, desloque-se de carro, de preferência de táxi e volte a adoptar uma atitude descontraída e local, o que nesta altura do campeonato já não deverá ser uma recomendação muito difícil de seguir.

E agora não se esqueça, vá e marque viagens de negócios e reuniões com parceiros moçambicanos porque, não só é uma boa desculpa para conhecer uma das cidades mais aprazíveis do mundo, como poderá significar um incremento significativo no seu negócio.

(texto originalmente publicado na revista "Executive Digest")


BLOCO NOTAS

País: República de Moçambique (25/6/1975)

Área: 799380 km2

População: 18,5 milhões de habitantes

Capital: Maputo

Moeda: Metical (câmbio médio em 2001: 1$00 = 73 meticais)

Idiomas: Português e Changana

Vacinas: Nenhuma vacina obrigatória; recomenda-se a profilaxia da malária; as principais doenças são a SIDA e a cólera

Documentos: Passaporte e visto obrigatório (visto de negócios de 30 dias, prorrogável até 90 dias)

Hora: GMT + 2

Destino: Maputo

Acesso: Para chegar a Maputo, pode ir de carro a partir da África do Sul, atravessando a fronteira em Komatipoort/Ressano Garcia (120 km de Maputo) ou ir pela Suazilândia e atravessar a fronteira na Namaacha (80 km de Maputo). De avião, a partir de Joanesburgo (voos diários) ou da Europa, a partir de Lisboa (voos três vezes por semana) ou Paris (uma vez por semana).

Clima: Subtropical junto à costa. A estação das chuvas vai de Outubro a Março e existe o perigo de cheias. Meses mais quentes - Janeiro e Fevereiro (22º a 35º); mês mais frio - Julho (16º a 25º); meses mais secos - Julho e Agosto; meses mais húmidos - Dezembro e Janeiro.

Comunicações: As ligações telefónicas dentro do país são automáticas. Para o exterior, também, desde que efectue o pagamento em divisas. Apenas no perímetro da cidade de Maputo se podem utilizar telemóveis GSM e realizar ligações para Portugal.

Bancos: Banco Internacional de Moçambique, Banco de Fomento e Exterior, Banco Standard Totta de Moçambique e Banco Comercial de Investimento. Os três primeiros operam com cartões de crédito Visa e Mastercard. Existem máquinas ATM, mas só funcionam com cartões locais.

Hoteis:

  • Hotel Polana (*****) - Av. Julius Nyerere - Tel.: +258 (1) 491001/7 - Fax: 491480
    O hotel mais elegante de Maputo e tradicionalmente escolhido por estadistas e empresários, mas evite os quartos do Polana Mar. Piscina, ginásio, restaurante, bares, esplanadas e lojas, além de salas para reuniões, conferências e casino.
  • Rovuma Carlton Hotel (****) - Rua da Sé, 114 - Tel.: +258 (1) 305000 - Fax: 305305 - E-mail: rovuma@isl.co.mz
    Situado mesmo junto à catedral e recentemente restaurado, é a nova coqueluche dos homens de negócios. Centro comercial, health club, piscina, restaurante, bares e salas de reuniões e conferências.
  • Hotel Cardoso (****) - Av. M. de Mueda - Tel.: +258 (1) 491071/5 - Fax: 494054
    Apesar de menos procurado que o Polana e o Rovuma, oferece uma vista esplêndida sobre a baía de Maputo. Piscina, restaurante, bar, lojas e salas e reuniões e conferências.
  • Restaurantes:

  • Vila Italia - Av. Friedrich Engels, 635 - Tel.: +258 (1) 497298
    Atmosfera muito calma e elegante, com mesas no interior e no jardim. Cozinha italiana.
  • 1908 - Av. Eduardo Mondlane, 560 - Tel.: +258 (1) 424834
    Um dos restaurantes preferidos para almoços de negócios. Mariscos e pratos locais.
  • Clube Naval - Av. Marginal - Tel.: +258 (1) 492121
    Habitualmente reservado a membros e frequentado por homens de negócios e empresários locais. Especialidade: peixes e mariscos.
  • Gaivota Bar Clube Marítimo - Av. Marginal - Tel.: +258 (1) 741345
    Magnífica esplanada frente ao mar. Peixe, marisco e rodízio de carnes aos domingos (almoço).
  • O Escorpião - Feira Popular - Tel.: +258 (1) 302180
    Cozinha tradicional portuguesa num ambiente descontraído e informal.
  • Bares e discotecas:

  • Tchova - Rua S. Mutemba, 287
    Bar, exposições e música ao vivo aos fins-de-semana.
  • Sheik - Av. Mao Tse Tung
    Atmosfera clássica, com boa música ambiente. Aberto aos dias de semana.
  • Esplanada Tara - Av. Marginal, Bairro Triunfo
    Ideal para dançar ao som de música tradicional africana e bandas ao vivo aos fins-de-semana.
  • Mini Golfe - Av. Marginal
    Complexo com jardins, restaurante, bar e discoteca. Música moderna e anos 60.
  • Viagem Anterior
    Canal Temático
    Topo da Página
    Página Principal
    Viagem Seguinte