logo:jipes S. Miguel - Açores (Portugal) Logo: Jipes
À DESCOBERTA DA ATLÂNTIDA

Em pleno Oceano Atlântico, perdido numa beleza sem par, o "navegante" interroga-se se estas ilhas vulcânicas serão o remanescente do mítico continente da Atlântida.

Texto e fotos: Alexandre Coutinho

Num passeio matinal ao longo das margens da Lagoa das Furnas, rodeadas por um bosque de vegetação luxuriante e por uma ligeira neblina rasante às águas tranquilas ocorre-me que não estou à beira de um lago nos Alpes, mas em pleno Oceano Atlântico, no surpreendente ecosistema terrestre e marítimo da ilha açoreana de S. Miguel.

Mapa: São Miguel

Situado em pleno Atlântico, a 760 milhas naúticas do Continente Europeu e a 2110 milhas da América do Norte, o Arquipélago dos Açores emergiu das profundezas do mar há milhares de anos, na sequência de violentas erupções vulcânicas.

E a terra ainda está bem viva nas ilhas dos Açores, manifestando-se diariamente sob as mais diversas formas de actividade vulcânica secundárias (furnas, fumarolas, nascentes de água quente, etc....).

Paisagem do centro da Ilha de S. Miguel Não existem provas científicas de que os Açores sejam o remanescente do mítico continente da Atlântida que, outrora, teria sido o berço de uma próspera e culta civilização, entretando desaparecida nas profundezas do oceano.

Curiosamente, no livro de banda desenhada, «O Enigma da Atlântida», das aventuras de Blake e Mortimer, a Ilha de S. Miguel é uma das portas de saída da Atlântida. Mesmo que os Atlantes tenham algum dia habitado nos Açores, não foram descobertos, até à data, quaisquer vestígios arqueológicos.

A ilha de S. Miguel é a maior do arquipélago (759,4 quilómetros quadrados de superfície, com 65 quilómetros de comprimento e 16 quilómetros de largura máxima) e aquela que vamos percorrer neste nosso primeiro desembarque nos Açores.

O avião é o meio mais cómodo e rápido para visitar as ilhas, servidas por voos regulares de diversas transportadoras aéreas, onde se destacam a TAP e a SATA, a companhia local que assegura também o transporte inter-ilhas. No Verão, há ligações de barco para, praticamente, todas as ilhas.

O aeroporto João Paulo II dista, em automóvel, pouco mais de cinco minutos do centro de Ponta Delgada, que se revela uma cidade moderna, dotada de todos os equipamentos sociais indispensáveis e oferecendo ao visitante uma vasto leque de alternativas no que respeita a comércio, alojamento e restauração (ver Bloco Notas).

As Portas da Cidade, onde sobressai o arco central construído no século XVIII e a Igreja Matriz de São Sebastião estão no centro da zona mais comercial da cidade, mas é, sobretudo, pela avenida Infante Dom Henrique que o trânsito flui do porto até à nova zona das piscinas e da marina, construídas numa área antigamente ocupada pelo antigo porto de pesca da Calheta de Pero de Teive, cuja memória foi imortalizada em postais e fotografias de época.

O périplo de S. Miguel


Falésia na Costa Norte da Ilha de S. Miguel Saindo de Ponta Delgada em direcção à Povoação (a vila onde desembarcaram e se estabeleceram os primeiros habitantes da ilha), a estrada segue sempre junto à costa, passando pelas praias do Pópulo (a pequena e a grande); pela vila de Lagoa com as suas piscinas naturais, onde as rochas oferecem uma curiosa atracção natural que dá pelo nome de «sopro da baleia»; e por localidades como Água de Pau e Ribeira Chã.

Vila Franca do Campo (que foi a primeira capital da ilha, no século XVI) e o seu ilhéu são paragem obrigatória. O casario, o colorido dos barcos de pesca artesanal, o relicário dos pescadores e o pequeno cais de embarque, são apenas alguns dos pormenores que fixam a atenção do visitante.

O Ilhéu de Vila Franca abriga, no interior, o que deverá ter sido uma pequena caldeira e é, hoje, uma autêntica piscina natural em forma de concha.

As Furnas concentram as atenções de muitas famílias de micaelenses, que ali dispõem de uma casa de fim-de-semana. Esta localidade é, igualmente, um importante centro termal intimamente ligado à actividade das suas furnas e nascentes.

Ribeira Quente - esta pequena freguesia deve o seu nome às furnas subaquáticas que afloram na orla da praia, autênticas nascentes de água escaldante que brotam no oceano, para grande contentamento dos banhistas (cuidado para não escaldar os pés!). Depois de uns bons mergulhos, o nosso percurso segue pela estrada sinuosa, entre campos e pastagens.

Chegados à Povoação, passando por uma das sete lombas que a rodeiam (verdadeiros miradouros sobre a vila e os vales circundantes), encontramos a ermida de Santa Bárbara, construída no século XV e considerada o primeiro templo erguido em S. Miguel.

Se visitar S. Miguel antes da Páscoa, cruzar-se-á certamente com os tradicionais grupos de romeiros que, durante as semanas da Quaresma, percorrem a ilha a pé, rezando junto das igrejas e capelas das localidades por onde passam.

Grupo de Romeiros em pereegrinação no período da Quaresma O Nordeste, anteriormente conhecida como a 10ª ilha do Açores - pela escassez de vias de comunicação e a consequente demora para lá chegar - é, hoje, uma das mais deslumbrantes regiões de S. Miguel e um dos melhores exemplos de ordenamento do território.

Do alto dos miradouros da Ponta da Madrugada, Salto da Farinha, Tronqueira ou Pico Bartolomeu, pode admirar-se o mar, as falésias e as fajãs (pequenas línguas de terra no sopé das falésias onde foram construídas algumas casas).

A estrada que serpenteia até à praia do Lombo Gordo é uma das mais características da zona. A descida é íngreme, mas o regresso requer muito mais atenção, alguma tracção e um bom motor, para não correr o risco de parar a meio da subida.

Lagoas encantadas


As lagoas das Sete Cidades, das Furnas e do Fogo constituem os principais «ex-libris» de S. Miguel.

As primeiras, célebres pelos seus cambiantes de verdes e azuis, devem a sua beleza ao panorama que se disfruta do miradouro da Vista de Rei (numa alusão à visita do Rei D.Carlos, em 1901).

Junto às margens, a visão idílica esfuma-se, como que por encanto, retirando o colorido tradicional às águas destas antigas caldeiras. Sobressai, então, o verde das pastagens e o branco do casario da pequena aldeia que nasceu nas suas margens.

Lagoa do Fogo, a mais fascinante e preservada de toda a ilha Por sua vez, a lagoa das Furnas. Além das suas margens calmas, dos passeios no Vale dos Fetos (que atingem, aqui, dimensões dignas de um Parque Jurássico) e da vegetação luxuriante dos jardins do parque do Hotel Terra Nostra, muitas são as atracções ao alcance dos visitantes: As furnas, propriamente ditas, umas em permanente ebulição, libertando nuvens de vapor e enxofre, outras vocacionadas para a confecção do célebre cozido das furnas e as restantes libertando apenas ténues fumarolas; as fontes de água quente, a escaldar ou completamente gelada; a piscina de água ferrosa; e a pitoresca Poça da Beija, uma pequena gruta parcialmente submersa, berço de uma nascente de água tépida que faz as delícias de quem nela mergulha. É um verdadeiro «jacuzzi» natural!

Finalmente, a lagoa do Fogo. É, talvez, a mais fascinante em toda a ilha e seguramente a mais pura e preservada. Pode ser admirada a partir da estrada que liga Lagoa à Ribeira Grande, mas merece um demorado passeio pedestre nos trilhos que percorrem as suas margens.

Num vale circundante, brota a nascente da água das Lombadas, uma das melhores águas gasosas naturais do Mundo.

As vacas açoreanas vivem no pasto todoo ano Nos anos mais recentes, a maior ameaça que paira sobre as lagoas de S. Miguel é conhecida como o fenómeno da eutrofização, provocada pelo excessivo crescimento de algas e outras plantas aquáticas alimentadas pelos caudais de adubos e fertilizantes usados na agricultura.

No centro da ilha, as estações de aproveitamento da energia geotérmica são já responsáveis por 15 por cento das necessidades de S. Miguel, percentagem que deverá chegar aos 40 por cento, no próximo ano.

Do Salto de Cavalo aos Mosteiros


No miradouro do Salto do Cavalo, um dos pontos mais altos da ilha (805 metros), é possível observar as costas Sul e Norte de S. Miguel, em comunhão com uma paisagem deslumbrante sobre o vale das Furnas. Para lá chegar, segue-se por uma estrada de montanha, por entre pastagens, matas e flores.

Na costa Norte da ilha de S. Miguel, a densidade populacional é mais reduzida, oferecendo uma paisagem mais aberta de encostas e prados verdejantes, onde pastam todo o ano, centenas de vacas leiteiras.

Ao fim da tarde, começa a ordenha, feita geralmente no próprio pasto, onde os animais permanecem quase todo o ano, resistindo estoícamente às mais duras intempéries. Será este o segredo do leite, da manteiga e do queijo açoreanos?

Ribeira Grande, a segunda cidade da ilha (cerca de 30 mil habitantes), está ligada a Ponta Delgada pela única via rápida da ilha e assume-se como um pequeno pólo industrial e de pesca da costa Norte.

Não muito longe, a freguesia de Rabo de Peixe, a mais pobre da ilha, dispõe, no entanto, de uma das maiores fábricas de conservas de atum dos Açores.

«Sopro da Baleia» na Lagoa A estrada continua a acompanhar a costa com o mar sempre presente. No extremo Ocidental da ilha de S. Miguel, situa-se a povoação de Mosteiros, onde a actividade de pesca volta a concentrar as atenções dos ilhéus. São característicos os ilhéus dos Mosteiros, que se erguem verticalmente do fundo do mar, subindo vários metros à superfície.

Concluída a volta à ilha (que deverá ser feita por etapas), é tempo de regressar a Ponta Delgada, saciar a sede e aconchegar o estômago numa das muitas esplanadas com vista para o mar e... começar a planear a próxima viagem no arquipélago!


BLOCO NOTAS

Ilha:
S. Miguel - Arquipélago dos Açores (Região Autónoma dos Açores - República de Portugal), situada no Oceano Atlântico a 25 graus 30' de longitude Oeste e 37 graus 50' de latitude Norte - Área: 759,4 km2 - População: 125 mil habitantes - Capital: Ponta Delgada - Hora: GMT menos 1 hora.

Mapas:
Delegação de Turismo de Ponta Delgada (096 25743)

Guias/Livros:
  • Abreu, Maurício - São Miguel - Açores - Edição do autor, 1992
  • Abreu, Maurício e Oliveira, Alámo - Açores - Edição do autor, 1987
  • CD Rom MirAçores - SREA (Serviço Regional de Estatística dos Açores), 1996

    Acesso:
    Por avião, a partir de Lisboa (voos diários), da Madeira, dos Estados Unidos e do Canadá. Voos inter-ilhas assegurados pela SATA Air Açores.

    Alojamento:
  • Hotel Açores Atlântico (****) - Ponta Delgada (096 629300)
  • Hotel de S. Pedro (****) - Ponta Delgada (096 22223)
  • Estalagem Vinha da Areia (****) - Vila Franca do Campo (096 52501)
  • Hotel Terra Nostra (***) - Furnas (096 54304)

    Alimentação:
  • Restaurante Alcides - Ponta Delgada (096 22677)
  • White Shark - Ponta Delgada (096 27663)
  • Pavillon - Livramento (096 35738)
  • Marisqueira Regional - Lagoa (096 92138)
  • Cavalo Branco - Stª. Barbára (096 98365)
  • Jardim do Roberto - Vila Franca do Campo

    Clima:
    Ameno, com temperaturas médias de 16º centígrados na Primavera, 21º no Verão, 18º no Outono e 14º no Inverno.
    A Primavera e o Verão são as melhores épocas para visitar S. Miguel, no entanto, é tradição ver desfilar num só dia as quatro estações do ano (por isso, esteja sempre prevenido para a chuva).

    Equipamento:
    Nenhum é verdadeiramente indispensável, mas um par de binóculos, uma máquina fotográfica e uma câmara de vídeo são altamente recomendados.

    Código de preservação:
    Respeite as regras dos parques naturais, não fume e não faça lume fora dos locais preparados para o efeito nos parques de merendas e transporte o seu lixo consigo até encontrar um recipiente próprio.

    Endereços úteis:
    Azores Online
  • www.multi.pt/azores
  • www.virtualazores.com
    Região Autónoma dos Açores
  • www.multi.pt/azores/raa
    Ponta Delgada
  • www.geocities.com/TheTropics/2840/pdl.html
  • Viagem Anterior
    Canal Temático
    Topo da Página
    Página Principal
    Viagem Seguinte
    Site Meter