A miopia ocidental face à China

Europeus e americanos olham o maior país do Planeta só pelo lado da dimensão potencial do mercado de consumo ou pelos salários de miséria óptimos para "deslocalizações". Mas são cegos a tudo o resto - aos sectores de tecnologia intensiva, às marcas globais emergentes, ao milhão de investigadores científicos, aos próprios sinais da geo-estratégia da potência emergente. Colou-se a etiqueta de "fábrica do mundo", especializada na "parte inferior" da cadeia de valor, nas chamadas commodities e na pirataria de produtos, e não se vislumbra a floresta. Peter Williamson, um inglês no INSEAD em Paris e em Singapura, e um dos teóricos da doutrina das "metanacionais", explica o que o levou a estudar a ascensão do país que em 2050 terá o maior PIB do mundo.

Jorge Nascimento Rodrigues, Dezembro 2003, versão original publicada
na revista Ideias & Negócios

Recados aos Ocidentais (entrevista exclusiva com Peter Williamson)
Dicionário geo-estratégico de bolso | Bibliografia
O Século dos Emergentes (comentário a um estudo da Goldman Sachs)

A China entrou definitivamente no radar ocidental. Subitamente não há publicação académica, especializada ou generalista que não puxe o país mais populoso do mundo para tema de capa. A revista brasileira "Veja" publicou recentemente um dossiê sobre "o planeta China", a última edição de 2003 da revista norte-americana de geo-política Foreign Affairs aborda-a no tema central ("China Takes off") e até a revista académica da gestão, Harvard Business Review (HBR), lhe dedicou o destaque ("HBR Spotlight: China Tomorrow"). Para fechar este ramalhete de media, a consultora Goldman Sachs presenteou-a no próprio dia do aniversário da proclamação por Mao Zedong da actual República Popular da China com uma notícia que vai mudar o mundo - em 2039 a China ultrapassará os Estados Unidos em termos de PIB, e será a economia número um de meados do século XXI. Aquele país asiático vive, de facto, um período de euforia, em que o recente primeiro voo espacial tripulado foi a cereja em cima do bolo.

O leitor perguntar-se-á do porquê deste súbito frenesim mediático. A resposta é, porventura, simplista - são sinais de uma mudança geo-política e geo-económica de fundo, óbvia, que não é mais possível ignorar. A China deverá passar a estar obrigatoriamente no SEU radar.

Os intelectuais e ideólogos chineses falam já da legitimidade de uma nova postura - daguo xintai, ou mentalidade de grande potência.

Os factos falam por si

O facto mais marcante dos últimos anos é, sem dúvida, a emergência da China como potência económica mundial no século XXI. Hoje, ainda, está atrás da Alemanha, do Reino Unido e da França em termos de PIB. Mas em 2008 - o ano dos Jogos Olímpicos - ultrapassará o PIB da Alemanha, ficando à frente daqueles países-chave da União Europeia. E, segundo o estudo da Goldman Sachs, ultrapassará o Japão em 2015 e os Estados Unidos em 2039.

Este calendário de ultrapassagens em 40 anos tem uma consequência geo-política imediata - o chamado Grupo dos 6 (Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França e Itália), ou dos 7 ou 8 (com a Rússia e Canadá), ficará obsoleto. «O G 6 não terá outra opção se não responder a este terramoto geo-económico e geo-político», diz-nos Peter Williamson, do INSEAD, que escreveu um artigo no dossiê da HBR. «Os membros do G 6 terão de fazer dois ajustamentos - ligar-se ainda mais estreitamente à emergência da China, da Índia, do Brasil e da Rússia; e prosseguir a integração da Europa se esta quiser continuar a ter influência num mundo de gigantes».

A ascensão do PIB chinês nesta primeira metade do século baseia-se na dinâmica de crescimento: 8% no quinquénio até 2005, 7% entre 2005 e 2010, 6% entre 2010 e 2015 e 5% entre 2015 e 2020, segundo estimativas da Goldman Sachs. Nenhum outro grande país "maduro" ou emergente terá um crescimento deste tipo - a Índia, Rússia e Brasil terão médias anuais mais baixas. Ou seja, a "locomotiva" mundial vai estar centrada na China.

Os responsáveis chineses passaram a ter plena consciência do que designam por zhanlue jiyuqi, ou oportunidade estratégica neste século. Também visível no plano geo-político.

Nesta base, os responsáveis chineses passaram a ter plena consciência do que designam por zhanlue jiyuqi, ou oportunidade estratégica. Também visível no plano geo-político.

Depois dos ciclos ideológicos dos anos 60 e 70 - revolução cultural, combate ao "revisionismo" soviético, teoria dos "três mundos" e oposição ao hegemonismo das duas superpotências de então -, a China abriu o ciclo do "take off" com as reformas económico-politicas encabeçadas por Deng Xiaoping no final dos anos 70 que permitiram um crescimento médio anual de 9% ao longo de quase um quarto de século, entre 1978 e 2002. Depois desta primeira "fase", a liderança chinesa começou a olhar para fora, sobretudo depois da queda do Muro de Berlim - a estratégia de emergência no plano diplomático acelerou-se com marcos recentes importantes como o Tratado com a Rússia e a adesão à Organização Mundial do Comércio.

Dicionário geo-estratégico de bolso
Daguo guanxi - relações internacionais de grande potência
Daguo xintai - mentalidade de grande potência
Jiãng lái - futuro chinês
Mianzi - face (no sentido de nunca perder a face)
Zhanlue jiyuqi - oportunidade estratégica

Os ocidentais fazem a "leitura" de que se trata para a China de reganhar apenas um papel "regional" na Ásia Pacífico, contrabalançando o papel geo-político dos Estados Unidos (e das suas alianças com a Coreia do Sul ou Taiwan, ou mais recentemente com a Índia) e a força da economia japonesa (apesar da crise em que está envolvida, continua a ser a segunda economia do mundo). O que leva os ocidentais a uma visão limitada da emergência chinesa.

Mais do que "fábrica do mundo"

A mesma miopia dos ocidentais é patente na apreciação do papel da China nas cadeias mundiais de valor económico.

A análise ocidental tende a olhar a China como a actual "fábrica" de mercadorias ("commodities", na designação técnica) a baixo custo. Os salários médios na China são 2,1% dos norte-americanos, o que também compara positivamente com os outros destinos de "outsourcing" como a Índia ou o segundo anel de "tigres" (como Indonésia, Filipinas e Malásia), que são mais caros.

Fruto dessa imagem, a China passou de 3,9% das exportações mundiais em 2000 para 6% em 2002 e passou a ser o principal destino dos fluxos mundiais de investimento directo estrangeiro desde 2002, tendo ultrapassado os próprios Estados Unidos. Em 2004 transformar-se-á no número dois mundial em termos de "stock" acumulado de capital estrangeiro, logo a seguir aos Estados Unidos.

Em 2004 transformar-se-á no número dois mundial em termos de "stock" acumulado de capital estrangeiro, logo a seguir aos Estados Unidos.

Os principais "clusters" da China ligados à sua especialização internacional são os isqueiros, com 70% do mercado mundial, o calçado, com 50%, os brinquedos, com 30%, e os acessórios de roupa com 20%.

Contudo, por baixo destes números está uma realidade mais complexa. O país é cada vez mais um "hub" duplo na cadeia de valor - importa massivamente componentes e partes intermédias dos "tigres" asiáticos e do Japão - e daí os défices com Taiwan, Coreia do Sul, Japão, ASEAN e Austrália - e re-processa-as em produtos finais para o seu mercado doméstico e para a exportação, nomeadamente para os Estados Unidos (de onde resulta um superavit para a China). Esta dinâmica de duplo "hub" tem colocado inclusive na ordem do dia a agenda da integração económica na Ásia Pacífico - quer através da APEC como da ASEAN - e motivado discussões acaloradas sobre a necessidade de uma moeda única no futuro, refere-nos Peter Williamson.

Contudo, é muito parcial julgar que a China joga apenas na "parte inferior" da cadeia de valor. Como nos referiu Peter Williamson: «Quer a China, quer a Índia não se ficarão pela posição de fábrica de 'commodities'. No nosso artigo na HBR referimos numerosos exemplos de empresas chinesas que começaram pela 'parte mais baixa' da cadeia de valor para criar volume, mas que rapidamente se moveram para o valor acrescentado, para segmentos mais sofisticados».

Por isso, a China tem entrado cada vez mais na área das tecnologias de informação (TI), quer no hardware como no software. As exportações chinesas nesta área são já 30 a 40% das suas exportações totais - o que aproxima a China dos outros "tigres" (mais de 50% das exportações da Malásia e Filipinas são nas TI; 50% no caso de Singapura, 45% no caso da Coreia do Sul e 40% nos casos da Tailândia e Taiwan).

Segundo um estudo do Deutsche Bank Research, a China (juntamente com Hong Kong e Macau) já lidera o mercado mundial em 8 das 12 categorias de produtos da electrónica de consumo - mais de 50% do mercado de leitores de DVD, mais de 30% dos gravadores de DVD, dos computadores de secretária e dos "notebooks", mais de 25% nos telemóveis, TV a cores, PDA (assistentes pessoais digitais) e auto-rádios.

Ainda que muita gente, no Ocidente, não o reconheça, a China está a começar a competir também em indústrias intensivas em conhecimento.

Também no campo do software, segundo a revista Business Week (Agosto de 2003), a China poderá alcançar a posição da Índia - o principal local do mundo de "outsourcing" nesta área - em 2006-2007.

O próprio "indicador de preparação para a economia do conhecimento" - criado pelo Deutsche Bank - revela que, numa escala de 1 a 10, com um máximo de 8,22 para os Estados Unidos, a China se situa já acima do meio da tabela, com 5,14, ainda que abaixo da Coreia do Sul (6,62), do Japão (6,82), e de Taiwan (7,15). «Ainda que muita gente, no Ocidente, não o reconheça, a China está a começar a competir também em indústrias intensivas em conhecimento», alerta, uma vez mais, o professor do INSEAD.

Desconhecimento ainda maior é o relativo às marcas globais emergentes "born in China". «As grandes marcas dos EUA, japonesas e europeias não têm prestado atenção ao que chamámos de 'dragões escondidos'. São míopes sobre a China, apenas vendo a dimensão do mercado interno. Mas a China também é fonte de concorrência mundial. Na China olha-se a entrada na Organização Mundial do Comércio como a grande oportunidade para penetrar nos mercados ocidentais com produtos chineses! Os ocidentais esquecem-se disto em regra», sublinha-nos Peter Williamson.

O governo chinês apoia abertamente 22 grandes empresas com potencial global, seis das quais pretendem entrar na galeria das 500 maiores do mundo e as outras 16 afirmar marcas globais. Entre elas são de citar, a Haier com 50% do mercado de pequenos frigoríficos dos EUA, a Galanz com 1/3 do mercado mundial de microondas, a Legend com 20% do mercado mundial de placas-base dos computadores e a China International Marine Containers com 40% do mercado internacional de contentores refrigerados.

RECADOS AOS OCIDENTAIS
Entrevista exclusiva com Peter Williamson
«Os europeus terão de escolher as indústrias intensivas em conhecimento em que efectivamente têm uma vantagem distintiva - algo que seja difícil de replicar pela China.»

Peter Williamson é professor do INSEAD, a escola de negócios nascida perto de Paris, e foi um dos co-autores do livro sobre o fenómeno das "metanacionais", um novo tipo de transnacionais. Ele tem acompanhado de perto a evolução da China e escreveu, recentemente, na revista Harvard Business Review (HBR) um dos artigos inseridos no dossiê sobre a "China de amanhã". O enfoque principal do artigo centrou-se nas marcas globais emergentes nascidas na China. Numa entrevista exclusiva à IN, Williamson clarifica alguns pontos de "Os dragões escondidos", o artigo que co-assinou na HBR com Ming Zeng, um professor do INSEAD em Singapura. Os aspectos por ele focados são particularmente críticos para os ocidentais.

Se a China não é apenas uma fábrica de "commodities", mas também de serviços e de produtos de maior valor, o que resta aos europeus?

O que é que lhes resta? A resposta não pode ser simplista e dizer que é preciso acantonarmo-nos no segmento "alto". A única resposta possível é avançar na especialização à escala global. Perguntando duas coisas: quais são as aptidões que podemos oferecer no mercado global? O que é que temos de especial localmente que possa ser alavancado no sistema económico mundial? Muitas destas aptidões originais, únicas, basear-se-ão em conhecimento "desalinhado" - pois, em última análise, o que resulta destas bolsas de saber é o que é mais difícil de imitar.

Mas se a China está cada vez mais a posicionar-se de facto no segmento "alto", acha que as estratégias actuais no Ocidente de apostar na "economia do conhecimento" são suficientes?

Eu acho que focarmo-nos de per si nas indústrias intensivas em conhecimento não vai ser suficiente a longo prazo para concorrer com a China. Ainda que muita gente não o reconheça, a China está a começar a competir nesse terreno. Por isso, os europeus nomeadamente, terão de escolher as indústrias intensivas em conhecimento em que efectivamente têm uma vantagem distintiva - algo que seja difícil de replicar pela China.

A própria China pode inclusive ser um bom local para os europeus investirem nessa área?

Claro. Devem olhar a China como potencial fonte de novas tecnologias no futuro. É por causa desse enorme potencial - que lhe chamaria 'metanacional' - que muitas empresas como a Otis, a Nokia e a Novartis estão a colocar centros de Investigação & Desenvolvimento na China.

Um dos aspectos que referencia no seu artigo é que as multinacionais chinesas emergentes são diferentes das multinacionais tradicionais. Em que sentido?

Em dois aspectos, a meu ver. Primeiro, os chineses focalizam-se em segmentos que as multinacionais tradicionais ignoraram ou consideraram não atractivos - por exemplo os pequenos frigoríficos em que entrou a Haier ou os pianos pela Pearl River Piano. Segundo, os chineses compreenderam bem cedo as suas limitações e apostaram em parcerias, seja usando designers europeus ou fazendo aquisições para aceder a novas tecnologias.Veja o caso da China International Marine Containers que comprou as operações na China da Hyundai coreana nesta área.

Mas as multinacionais tradicionais não fizeram movimentos desse tipo também?

Não é que as multinacionais tradicionais não o tenham feito também, mas as chinesas estão a fazê-lo mais cedo e mais rapidamente no seu ciclo de vida.

Mas em que sentido é que considera que se trata de uma estratégia "metanacional"?

Porque os chineses estão a alavancar conhecimento à volta do mundo. E não são tímidos a esse respeito. A sua palavra de ordem é esta: "o que torna competitiva uma empresa a prazo não é o que se sabe hoje, mas quão rapidamente se aprende". As empresas indianas estão numa fase mais atrasada, mas estão a percorrer um caminho similar às marcas globais chinesas. Por exemplo, em 2001, a Tata comprou a marca inglesa Tetley (criada em 1837!) para aprender distribuição e estratégia de marca internacional.

Bibliografia
  • "As ambições do Planeta China", dossiê na revista Veja, edição de 22 de Outubro; na web em http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/china/
  • "China's New Diplomacy", artigo de Evan Medeiros e M. Taylor Fravel, na revista Foreign Affairs, edição de Novembro/Dezembro 2003; na web em www.foreignaffairs.org/20031101faessay82604/evan-s-medeiros-m-taylor-fravel/china-s-new-diplomacy.html
  • "China Takes off", artigo de David Hale e Lyric Hughes Hale, idem; na web em www.foreignaffairs.org/20031101faessay82605/david-hale-lyric-hughes-hale/china-takes-off.html
  • Dossiê "China Tomorrow", na revista Harvard Business Review, edição de Outubro de 2003; na web em http://harvardbusinessonline.hbsp.harvard.edu/b02/en/hbr/hbr_home.jhtml
  • "Dreaming With BRICs: The Path to 2050", relatório da Goldman Sachs, publicado no Global Economics Paper, nº99, 1/10/03; na web em www.gs.com/insight/research/reports/report6.html
  • "Economics", "newsletter" do Deutsche Bank Research, edição 30 de Setembro 2003; na web em www.dbresearch.com

  • Fontes na Web
  • Agência de Informação oficial - www.china.org.cn
  • Agência de noticias - www.xinhua.org/english/
  • Ministério dos Negócios Estrangeiros - www.fmprc.gov.cn/eng/
  • Chinaonline (fonte independente) - www.chinaonline.com
  • Página Anterior
    Topo da Página
    Página Principal