Bolsa de apostas de ideias polémicas

Um mercado de futuros na Web

Balcão de apostas

por Jorge Nascimento Rodrigues
Artigo publicado originalmente no Expresso em versão reduzida


A ideia de negócio é criar na World Wide Web um mercado de futuros baseado em apostas sobre questões polémicas nas mais diversas áreas, da ciência, da economia, da geo-política, da sociedade, da tecnologia e da cultura.

É algo parecido com a bolsa de futuros de mercadorias, só que, agora, no reino das palavras.

Será que a SIDA vai ter cura em 2005, ou que os computadores baseados no ADN vão tornar obsoletos os actuais, artilhados com os famosos «chips», por volta desse ano também?

Teremos batalhas nucleares em teatros de guerra locais em 2010, e uma Terceira Guerra Mundial no meio do próximo século?

Ou bem mais próximo de nós: haverá um confronto entre a China e os Estados Unidos em 1998 e seremos surpreendidos por uma estreia do terrorismo nuclear em 1999?

Quanto é que o leitor apostaria a favor ou contra em cada uma destas ideias?

O mecanismo é mexer com o bichinho de jogador do ser humano e "estender" as apostas a áreas não desportivas e fora do circuito das lotarias e dos casinos.

Mas como isso não é ainda permitido legalmente, neste caso não se negoceia com dinheiro real, mas com umas notas de crédito puramente virtuais e simbólicas, que apenas dão como prémio o prazer de jogar.

Mas não estamos a falar de um projecto futurista.

A ideia já foi posta em prática por um grupo de programadores canadianos de Calgary desde finais de 1994 que criaram um «site» na Web para o jogo, que começou por se chamar Idea Futures e que, desde há um ano, passou a denominar-se formalmente Foresight Exchange- FX (www.ideosphere.com/), tendo-se transformado num negócio privado.

O projecto já ganhou o prémio de ouro na categoria da World Wide Web na Ars Electronica de 1995.

Na base está uma ideia original de Robin Hanson um físico californiano, apaixonado pela teoria dos jogos, com um mestrado em filosofia da Ciência, que passou pelo Centro de Inteligência Artificial da Lockheed e pelo Centro de Investigação Ames da NASA, e que acabou de se doutorar na semana passada no California Institute of Technology.

Confessando-se "uma mistura de libertário e adepto do mercado livre", Hanson acha que a validação das ideias e dos projectos de futuro deve passar por um "mecanismo de mercado", e ocorreu-lhe adaptar o sistema de apostas e o mercado de futuros de mercadorias numa embalagem própria para o caso.

Algo que fosse uma alternativa ao tradicional método de avaliação pelos pares e de contagem de citações de publicações científicas, ou aos "bitates" dos auto-eleitos "especialistas" e "personalidades" em outras áreas.

"Tive a ideia em 1988 - começou por nos referir - quando estava a trabalhar nos primórdios da edição em hipertexto (no que a Web mais tarde se tornou), e começei a ser assaltado pela dúvida se, no fundo, mesmo assim, com esse novo meio, iríamos melhorar o debate político e académico, como todos esperavamos".

Hanson é mesmo muito duro: "Os nossos decisores políticos e fazedores de opinião nos media baseiam-se demasiado nos conselhos de peritos oriundos de certos clubezinhos de «insiders» ou de tubarões da Academia. Ora, todos estes «punditas», são creditados por contarem lindas histórias, ou por se apoiarem ou morderem uns aos outros, mais do que por terem efectivamente razão, ou acertarem".

Por isso, provoque-se uma reviravolta no mercado ideológico sobre o futuro e inclusive disfrute-se de algum gozo, jogando. "Criemos, em alternativa, mercados de apostas sobre as questões mais controversas, e consideremos a resposta como o melhor consenso possível de especialistas", sublinhou-nos, depois de nos garantir que muita gente acabaria, assim, por apostar naquilo em que realmente pensa, mas que não diz por vezes, ou, mesmo por jogar com um pau de dois bicos ("o que é totalmente legítimo"), precavendo-se de perder em toda a linha.

Hanson garante que este método é particularmente crucial para as empresas que estão em áreas onde a polémica sobre a evolução futura é muito acesa. Este jogo de apostas pode funcionar como um sistema de alerta, como "mensageiro de tendências". No passado, poderia ter sido útil à Sony para se precaver na guerra entre os sistemas Beta (que perdeu o combóio) e VHS (que triunfou) no vídeo, dá-nos como exemplo. E, falando dos dias de hoje, o jogo poderia ser uma ajuda para toda a indústria dos «chips», se, por acaso, o lançamento de computadores baseados no ADN vir à luz do dia no princípio do próximo século.

"Já me disseram que algumas empresas estão a usar o jogo de apostas como metodologia de prospectiva", disse-nos Hanson, o que é corroborado por Doug Hubbard, da DHS Associates, uma consultora de gestão na área dos processos de decisão. O sistema está a ser testado no sentido de se avaliar se funciona como uma ferramenta efectiva de apoio à decisão.

Por este projecto original, Robin Hanson mereceu o Prémio de Inovação Social na Web no ano passado e tem visto um interesse crescente não só da parte da comunidade da Web - um artigo seu publicado na revista Wired em Setembro de 1995 (ver em http://hss.caltech.edu/~hanson/ifwired.html) continua a ser muito «linkado» - como do mundo empresarial e político.


Ficha do projecto e do criador