Os quatro modelos dinâmicos de transição

segundo Bruno Lemaire


Modelo 1 - os revolucionários (como a 3M ou a Sun) movem-se numa espiral constante de inovação, são as empresas de "primeiro tipo".


Modelo 2 - empresas que vivem num movimento pendular entre a "customização" (ou resposta personalizada ao cliente) e a inovação; são as empresas de "quarto tipo" (Benetton é o exemplo europeu de antologia).


Modelo 3 - os japoneses, nos anos 70 e 80, conseguiram migrar da produção de massa para um novo tipo de empresa, baseada na qualidade e na melhoria contínua; são as empresas de terceiro tipo.


Modelo 4 - empresas, baseadas outrora na produção de massa, conseguiram ir mais além da qualidade e da melhoria contínua, e procederam a uma reenhenharia de processos que as posicionou ou no quadrante da inovação (como a ABB), ou no da resposta rápida e personalizada ao cliente (como a Federal Express na distribuição de encomendas e a Levi Straus na confecção de ganga).