Harvard Business Review
converte-se à vaga digital


Se a estratégia na óptica da doutrina do management foi o tema premiado no ano de 1996 pela revista Harvard Business Review (HBR), com os artigos de Gary Hamel e Michael Porter, agora é a vez de começarem a brotar os primeiros trabalhos sobre a estratégia no contexto explícito da economia digital.

Jorge Nascimento Rodrigues


O livro de Chuck Martin sobre "O Estado Digital" (apresentado na edição de Setembro da revista Exame Executive Digest) ou o artigo pioneiro de Kevin Kelly na revista «Wired» sobre as novas regras dos negócios na Era Digital, a que já fizemos referência, são exemplos do novo pensamento estratégico, vindos de "fora" do meio académico da gestão.

Agora foi a vez da HBR, considerada por muitos a "bíblia" do management no último meio século, começar a divulgar artigos sobre as estratégias de "competição no quadro da economia da informação".

A edição de Setembro/Outubro 97 - curiosamente comemorativa do seu 75º aniversário - alberga um extenso bloco de artigos sobre gestão no quadro da economia digital, misturando séniores reputados, como Lester Thurow (que fala sobre a propiedade intelectual neste novo contexto), com consultores do Boston Consulting Group (que escrevem que "os executivos vão ter de repensar os fundamentos estratégicos dos negócios que dirigem"), e investigadores da própria Harvard Business School (HBS).

Um dos trabalhos de investigação é liderado por Marco Iansiti, professor associado, com a colaboração dum aluno de doutoramento, Alan MacCormack. O projecto de investigação dos dois tem girado em torno do novo ciclo de desenvolvimento dos produtos ou serviços na era da economia digital. Saber "cheirar" o mercado digital é o truque, dizem eles numa entrevista que nos concederam.