Recomendações dos Leitores

Este espaço destina-se a recomendações feitas pelos nossos letores. O editor da Janela na Web reserva-se o direito de selecção e referee do texto.

As propostas podem ser enviadas a Jorge Nascimento Rodrigues.


Livro: O Futuro da InternetO FUTURO DA INTERNET
Edição portuguesa.
Recomendado por: José Augusto Alves, um dos coordenadores do projecto.
Título do livro: O Futuro da Internet.
Site do livro: www.centroatl.pt/titulos/futuro/.
Conteúdo disponível no site: Apresentação do livro, Introdução, Prefácio, Índice, "O passado da Internet", e ainda um artigo (conteúdo) grátis.
Para comprar clique aqui.
Este livro é uma demonstração dos primeiros passos daquilo que será a revolução provocada pela Internet no futuro próximo.
O pleno aproveitamento da revolução da sociedade da informação, que se encontra em curso, em que a Internet desempenha um papel central, poderá ser a alavanca para vencer o atraso de desenvolvimento que nos separa dos nossos principais parceiros, no espaço económico, geográfico e geo-estratégico em que nos inserimos.
Tirar proveito do contexto favorável proporcionado pela sociedade da informação para produzir o milagre do desenvolvimento português, nos primeiros anos do século XXI, é o desafio para o futuro que colectivamente teremos de ser capazes de vencer.
Os autores do livro fazem parte do conjunto das mais conhecidas e reputadas personalidades do sector (José Magalhães, Prof. Borges Gouveia, dr Bakali, Fernando Martins, Luís Soares, Luís Vidigal, Telmo Baptista, …).
Inclui um prefácio do Presidente da Missão para a Sociedade da Informação e na contra-capa um texto exclusivo do Ministro da Ciência e da Tecnologia.
O livro tem um PVP de 2.950$00.


Livro: O Futuro da InternetORGANIZAÇÕES, MUDANÇA E CAPACIDADE DE GESTÃO
Edição portuguesa.
Recomendado por: Ricardo Fabrício Rodrigues.
Título do livro: Organizações, Mudança e Capacidade de Gestão.
Site do livro: www.principia.pt/livraria/economia/econ2.htm.
Para comprar clique aqui.
Gerir os processos de mudança tornou-se numa expressão de utilização recorrente no mundo empresarial. As técnicas, os modelos e as ideias da Gestão oferecem propostas nesse sentido - gerir a mudança.
Benchmarking, downsizing, empowerment, excelência, just-intime, lean production, outsourcing, reengenharia e total quality management são conceitos em voga, relacionados com a tentativa de gerir a mudança. No entanto, uma questão subsiste quando a problemática da mudança é abordada nas organizações: conseguirão os conceitos da Gestão suplantar o carácter efémero que a eles se encontra associado, bem como a predominância de uma racionalidade instrumental afecta à própria acção da Gestão?
Nos processos de mudança não existem receitas milagrosas! Apenas algumas evidências, que nos vão ensinando que sem uma orientação sistémica, centrada na valorização e no desenvolvimento do potencial humano (antro-pocentrismo) tudo se torna mais difícil. Não há processo de mudança que resulte ou subsista sem a disponibilidade e a participação activa dos factores humanos...
O livro tem um PVP de 1.900$00.

Comentário de JNR na recensão do livro.


Livro: Comércio Electrónico na InternetCOMÉRCIO ELECTRÓNICO NA INTERNET
Edição portuguesa.
Título do livro: Comércio Electrónico na Internet.
Site do livro: www.fca.pt/livros/184_x/p0.html.
Para comprar clique aqui.
Este livro tem como principal objectivo introduzir e discutir o tema bastante genérico do 'Comércio Electrónico na Internet' de uma forma sintética mas abrangente, exigindo apenas que o leitor já tenha utilizado a Internet.
O livro inclui todos os tópicos relevantes neste domínio: uma apresentação de casos de estudo portugueses e estrangeiros; uma abordagem à tecnologia informática de suporte; o impacto previsível na gestão das organizações; a questão fundamental da segurança e dos pagamentos electrónicos; e, finalmente, o quadro regulamentar aplicável. O livro inclui ainda inúmeros exemplos concretos de comércio electrónico na Internet, tanto entre empresas como dirigido ao consumidor final.


Livro: Euro e InformáticaEURO E INFORMÁTICA
Edição portuguesa.
Recomendado por: José Augusto Alves, um dos coordenadores do projecto.
Título do livro: Euro e Informática - Guia de preparação informática para a adopção da moeda única.
Nº de páginas: 192
Site do livro: www.centroatl.pt/titulos/desafios/euro_e_informatica.html.
Conteúdo disponível no site: Apresentação do livro e foto da capa, Introdução completa, Índice, Curriculum dos coordenadores, e ainda Conteúdo grátis (em formato de livro digital PDF para leitura com Acrobat Reader incluindo 32 páginas com capa, início do livro, índice, introdução, um artigo completo e contra-capa) que permite mais facilmente ao potencial comprador ver efectivamente o que vai comprar em formato digital ou papel.
Para comprar clique aqui.
Numa altura em que passada a data crítica de 1 de Janeiro de 2000 (Bug Y2K) e a data limite para a preparação dos sistemas informáticos em relação ao Euro (1 de Janeiro de 2002) se aproxima a passos largos, as empresas retomam a preparação para o Euro, achamos que mais do que um livro técnico e cheio de números, seria interessante recolher depoimentos de representantes de vários tipos de agentes económicos.
Ao longo deste livro vários convidados dão-nos a conhecer as suas experiências, as suas opiniões sobre este assunto. Os leitores verão abordados assuntos que de uma forma ou de outra mostram:
- como é que as empresas encaram ou encararam a implementação da transição;
- prazos necessários para concluir as modificações necessárias: para rever os sistemas, para analisar as soluções, para assegurar a implementação e os testes;
- recursos necessários: custos, horas de trabalho, fornecedores. Os recursos internos são adequados ou é necessário recorrer a fornecedores externos de serviços?
- como coordenar a transição dentro da empresa
- as soluções standard, vulgo ERP, têm um programa regular de manutenção ou será necessária uma actualização específica? Qual será o custo e o prazo de implementação? - a formação do pessoal para as novas versões de software tem que ser planeada;
- se os sistemas são desenvolvidos internamente, a sua transição terá que ser preparada. Estes sistemas estão devidamente documentados para que as alterações necessárias possam ser identificadas?
Certamente que dos seus depoimentos todos retirararemos alguns alertas ou ensinamentos que nos permitarão preparar ou ajudar a preparar as nossas empresas para que a partir do dia 1 de Janeiro de 2002 possamos dizer: Adeus Escudo, Benvindo Euro!
Este livro é um projecto único no panorama editorial europeu abordando questões técnicas, sociais e comerciais que se colocam aquando da passagem ao Euro nas empresas portuguesas e, além dos vários artigos de autores, profissionais reputados, pertencentes ao mundo empresarial e educacional, inclui ainda no final um conjunto de anexos que são de verdadeira utilidade para as empresas e podem ser considerados um verdadeiro manual do que fazer e do que não esquecer para as empresas e estão divididos no seguinte conjunto de anexos:
1. Fases Euro e enquadramento legal e económico
2. Euro e os países
3. Euro e as empresas
4. Aspectos técnicos da implementação do Euro
5. Euro na Internet
Entre as experiências retratadas do livro incluem-se: Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, Bolsa de Valores de Lisboa, Cap Gemini Portugal, Grupo Mundial-Confiança, Companhia IBM Portuguesa, FIMA/LEVER/IGLO/DIVERSEY, Mentor IT, Optimus Consulting, Portugal Telecom Sistemas de Informação, SAP Portugal, SIBS e Universidade Portucalense.
O livro tem um PVP de 2.950$00 (no seu formato em papel) e de 1.475$00 (no formato digital).


Livro: O Fenómeno do Empreendedorismo Criando RiquezasO FENÔMENO DO EMPREENDEDORISMO CRIANDO RIQUEZAS - 2ª Edição
Você estaria pronto para desfrutar as inúmeras oportunidades surgidas com a revolução empreendedora que vem se alastrando pelo mundo? Nunca houve incentivos tão fortes nem tantas oportunidades de negócios, cursos de capacitação para os indivíduos que queriam criar seu próprio negócio, como atualmente.
Primeira obra que versa sobre empreendedorismo e enfoca realmente o que venha a ser o espírito empreendedor, este é um livro de consulta como um manual para iniciantes e uma fonte de inspiração para todos aqueles que desejam, de fato, entender o empreendedorismo, esse fenômeno que está transformando o mundo.
Ideal para todos aqueles que querem ser empreendedores, aspiram ser donos de seu próprio negócio. Escrito fundamentado em longas pesquisas sobre o tema, por dois empreendedores, especialistas no tema, Professor Doutor Emanuel Ferreira Leite, único mestre e doutor com concentração na área do empreendedorismo, no Brasil, professor universitário, doutor pela Universidade do Porto, Portugal, introdutor da disciplina de Formação de Empreendedores, nas principais universidades do Estado de Pernambuco e pelo Professor Doutor Borges Gouveia, professor catedrático na Universidade de Aveiro e uma das maiores autoridades mundiais na área do empreeendedorismo, doutor pela Universidade do Porto.
Nos anos 80, o Professor Emanuel Leite dirigiu a Autarquia de Ensino Superior de Garanhuns (AESGA). À frente da AESGA liderou o processo de reconhecimento do curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências da Administração de Garanhuns (FAGA). "A concepção e objetivos que norteiam o curso é a formação de profissionais de administração capacitados para serem empreendedores em micro, pequenas e médias empresas", visando a permitir ao formado a criação de seu próprio emprego (trecho, adaptado, do parecer nº 391/87/ CESu, 2º Grupo, 06/05/87).
No início dos anos 90, foi um dos "idealizadores", "formatadores" e coordenadores da 1ª Semana do Pequeno Empreendedor FCAP/UPE.
Para elaborar este livro o Professor Leite contou com a colaboração do Professor Doutor Joaquim José Borges Gouveia, uma das maiores autoridades mundiais em empreendedorismo, doutor pela Universidade do Porto.
O Fenômeno do Empreendedorismo - Criando Riquezas é:
- Abrangente: cobre todos os tópicos relacionados com o desenvolvimento da capacidade empreendedora, tendo como meios básicos o pleno conhecimento do conceito de espírito empreendedor, comportamento empreendedor, caracterização do empreendedorismo, caracterização dos negócios, a compreensão do ambiente empresarial, da inovação e tecnologia, incubação de empresas de base tecnológica, via incubadora, os riscos do empreendedor, dos valores em que se baseiam a sociedade empreendedora, o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem do empreendedorismo, tendo em vista aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes fundamentais na formação do comportamento e valores empreendedores que levem a uma sólida capacitação em empreendedorismo e a criação da sua empresa.
- Extremamente prático: fornece informações detalhadas sobre como detectar as oportunidades que surgem, no dia-a-dia do empreendedor.
- Inclui numerosos exemplos de como o empreendedor pode ser bem-sucedido, na árdua tarefa de criar seu próprio negócio.
"O Fenômeno do Empreendedorismo - Criando Riquezas", uma edição do autor com o apoio da Editora Bagaço, já vendeu mais de 1100 (mil e cem) exemplares, lançada em fevereiro de 2000, esgotou-se em outubro do mesmo ano.
A segunda edição - 1100 (mil e cem) exemplares - lançada em fevereiro de 2001 encontra-se praticamente esgotada.
Este livro terá uma versão em espanhol, patrocinada pelo " Ministerio de Ciencia y Tecnologia e Universidad Central de Venezuela", com lançamento previsto para o primeiro semestre de 2002.


Livro: Jack Welch on LeadershipLivro: Straight from the GutOs 29 segredos de Jack Welch, CEO da GE
«Get better or Get beaten»
Jack Welch

Recomendado por: Ademir Lourenço Blanco
MBA pela Fundação Getúlio Vargas
E-mail: ademirb@yahoo.com.br
Lençóis Paulista-São Paulo, Brasil
Obras de Jack Welch em inglês mais recentes:
- STRAIGHT FROM THE GUT (2001)
- JACK WELCH ON LEADERSHIP (2001)
Conhecendo Jack Welch
John Francis Welch Jr., ou simplesmente Jack Welch, foi presidente executivo e presidente do conselho de administração da General Electric, a GE, a companhia de maior valor de mercado na poderosa bolsa de Valores de Nova York e tradicional fabricante de geradores de energia, lâmpadas, locomotivas, lavadoras de louça, refrigeradores e motores de aeronaves. Welch tem como principais lemas idéias simples: «Não complique as coisas», «Enfrente a realidade», «Não tenha medo de mudanças», «Lute contra a burocracia», «Use o cérebro de seus funcionários», «Descubra quem tem as melhores idéias e coloque-as em prática».
Welch foi eleito pela revista fortune como «O Executivo de Século».
Welch transformou a GE em uma das maiores empresas americanas de maior sucesso no final do século XX. Ele conseguiu isso se concentrando na qualidade e dando prioridade à inovação e a criação de uma serie de estratégias empresariais inovadoras que transformaram a GE - até então um verdadeiro elefante branco excessivamente burocrático, lento e arrogante - em uma empresa ágil e enxuta.
Ao todo , são analisados e comentados 29 segredos , nesta obra lançada no Brasil pela Editora Campus, que segundo analistas esse livro está abrindo o próprio caminho e criando uma revolução, devidamente atualizado para atender uma economia globalizada, em toda a situação de negócio esse clássico da administração moderna, tem sempre uma resposta básica: «O que Jack faria?», veremos a seguir um breve relato dos principais segredos que consegui captar durante a leitura desse fantástico livro.
Explore o poder das mudanças
A mentalidade do administrador de ontem era fazer concessões e manter as coisas em ordem, o que tendia a gerar negligência. Os lideres de amanhã, por outro lado, levantam questões, debatem-nas, buscam soluções. Eles não temem ir contra a corrente de hoje porque sabem que sua clientela está no futuro. Eles unem forças em torno de um projeto para a empresa.
Regras de Welch
- Mantenha receptivo a mudança, segundo Jack os lideres empresariais que tratam as mudanças como um inimigo fatalmente fracassarão.
- Lembre-se que resistir as mudanças é fácil, a postura confortável para a maioria dos lideres empresariais é fazer o mais fácil, resistir a mudança, presumir que o status quo é satisfatório, o que Jack discorda, o status quo pode ser melhorado.
- Tenha certeza que seus funcionários estão envolvidos na mudança, faça com eles encarem as mudanças como uma oportunidade, encarando como um desafio que pode ser vencido como muito trabalho e dedicação.
Encare a realidade
A arte do gerenciamento e da liderança resumem-se a algo bem simples: descobrir e encarar a realidade no que diz respeito a pessoas, situações e produtos, para depois agir decisiva e rapidamente sobre essa realidade.
Regras de Welch
- Encare a realidade, Jack põe essa regra no topo de sua lista de estratégias.
- Depois de encarar a realidade, aja sobre essa realidade.
- Encare a realidade e será possível virar o jogo, «enfie sua cabeça na areia» diz Welch e você com certeza irá fracassar.
Gerenciar menos é gerenciar melhor
Quando ficamos mais enxutos, notamos que estávamos nos comunicando melhor, com menos intérpretes e menos filtros. Sentimos que, com menos camadas, tínhamos espaço mais amplo para gerenciar. Não estávamos gerenciando melhor. Estávamos gerenciando menos, e isso é melhor, diz Welch.
Welch quer que os gerentes gerenciem menos, ele quer que eles monitorem menos, dêem mais liberdade de ação a seus funcionários, e quer mais decisões nos níveis hierárquicos mais baixos da empresa.
Regras de Welch
- Gerencie menos, ensine seus gerentes a gastar seu precioso tempo em atribuições mais importantes.
- Instile confiança, Welch acredita que a confiança é uma forma de obter sucesso nos negócios , trate os funcionários com respeito e anime-os para que se sintam mais confiantes para tomar decisões.
- Saia do caminho , os funcionários não precisam de constante supervisão, ficará surpreso com os resultados se deixar cada um faça o seu trabalho.
- Enfatize a idéia global e não a supervisão, gerenciar menos dará aos gerentes mais tempo para pensar em tópicos maiores, enfatize a importância de se ter novas idéias para o futuro do negócio.
Crie um ideal, depois saia do caminho
As pessoas sempre superestimam a complexidade de um negócio. Mas não se trata de engenharia de foguetes. Nós escolhemos uma das profissões mais simples do mundo.
Ao longo do livro Welch chega até ser irônico quando comenta, principalmente a hierarquia da organização, dizendo que já não é mais elogio chamar alguém de gerente, porque na sua maneira de pensar significa alguém que «em vez de facilitar, controla; em vez de simplificar, complica e age como um poderoso chéfão do que como um acelerador».
Para ele «Os Lideres», que podemos pensar em qualquer um desde Roosevelt, passando por Churchill até Reagan, inspiram as pessoas com idéias claras de como as coisas devem ser feitas da melhor forma. Segundo ele alguns lideres empresariais estragam tudo com pormenores e complicações sem pé nem cabeça.
Regras de Welch
- Lembre-se que cuidar de uma empresa é simples , as complicações ocorrem quando as pessoas não recebem as informações vitais.
- Mantenha sempre essas 5 perguntas chaves em mente:
      Como é o ambiente competitivo global?
      O que seus concorrentes fizeram nos últimos 3 anos?
      No mesmo período , o que você vez com eles?
      De que forma eles poderiam atacá-lo no futuro?
      Quais seus planos para passar a frente deles?
- Gerenciar é alocar pessoas e recursos, designe as pessoas certas para as funções certas, dê as elas o que elas precisam e depois deixe o caminho livre.
- Os gerentes lideram com idéias, eles tem de ser abertos, precisam liderar com idéias e divulga-las em alto e bom som.
Incentive os funcionários que partilham dos valores da empresa
O mais difícil do mundo é irmos contra alguém que cumpre sua função, porém afastando-se de nossos valores no sentido diametralmente oposto. Mas se não agirmos, não estaremos cumprindo aquilo a que nos propusemos, e estaremos servindo apenas para amortecer os impactos.
Para Welch um bom administrador formula um projeto e tem o bom senso de permitir que seus funcionários o implementem por si mesmo, parte dessa visão tem a ver com a obtenção do máximo de seus funcionários, estimulando-os a correrem riscos.
Regras de Welch
- Dê mais responsabilidade aos seus funcionários e eles tomarão melhores decisões, você aumentará a produtividade da organização ao conceder maior responsabilidade sujeita à prestação de conta a seus funcionários.
- Incentive os funcionários que seguem os valores da empresa, mesmo que não atendam os números esperados, para Welch essa qualificação de funcionário o qualifica como estável, não devendo o mesmo ser demitido se seus resultados não forem os esperados, você deve remanejá-lo se os resultados continuarem baixos.
- Elimine os funcionários que não vivem os valores da empresa, mesmo que o mesmo apresentam excelentes resultados, porém essa com certeza deverá ser uma missão muito difícil ao administrador, mas deve ser feita, segundo Welch esse tipo de funcionário não prejudica a empresa em época de vagas gordas, mas você irá pagar o preço no tempo das vagas magras.
Analise criteriosamente sua empresa e defina o que precisa ser ajustado, o que precisa ser estimulado e o que precisa ser dispensado
O mundo está mudando tão rapidamente que o controle se tornou uma limitação. Ele tira sua agilidade. Quando assumiu a direção da GE em abril de 1981, a empresa estava mergulhada numa crise profunda, quase ninguém percebia, das 350 unidades produtivas da GE, apensas algumas ocupavam posições de liderança ou vice-liderança nos mercados em que atuavam, apesar dos balanços apresentados no final da década de 1970 serem lucrativos, GE estava indo para o brejo.
Welch, disse «preciso de um projeto totalmente novo, toda uma nova série de estratégias empresariais», ele poderia ter preferido ter enfiado a cabeça na areia, mas não o fez.
Regras de Welch
- Não enfie a cabeça na areia, fique de olho, sempre atento a todos os fatores determinantes do negócio, do ambiente econômico às medidas tomadas por seus concorrentes.
- Faça auditorias regulares de seus empreendimentos para certificar se estão saudáveis, cuide das empresas em dificuldades e livre-se daquelas que não são competitivas.
- Não tenha medo de contrariar o senso comum, Welch firmou-se ignorando os sabichões e os céticos, tome decisões ousadas baseadas nas realidades das empresas e dos mercados em que atuam.
Faça o downsizing antes que seja tarde demais
«Estes são os empreendimentos nos quais realmente queremos investir. São os empreendimentos que nos ajudarão a entrar no século XXI. Eles estão dentro dos círculos. Fora dos círculos estão os empreendimentos que nós preferimos não manter mais.»
O downsizing soa como um verdadeiro palavrão evocando imagens de dor e sofrimento, perda de emprego e renda, todo o processo de reestuturação da GE proporcionou a Welch o apelido de «Nêutron Jack» em alusão a bomba de nêutrons, que elimina as pessoas sem destruir a região em que ela é atirada, ele foi intitulado como homem cruel que só se importava com os números da empresa e não com seus funcionários, vejam o que disse Welch, magoado, sobre esses comentários.
«Creio que o apelido era pesado demais, foi maldoso, eles me chamam de "Neutron Jack", porque demitimos pessoas, muito embora tenhamos sido generosíssimos na hora de indmenizá-las.»
Regras de Welch
- Faça da constante revisão de despesas e do número de funcionários, uma prática, a GE fez o downsizing quando a empresa parecia saudável.
- Não administre em função de pesquisas, os CEOs não devem administrar as empresas como se fossem concurso de popularidade, Welch fez uma coisa antipática nos primeiros anos de sua gestão, contrariando o senso comum.
- Lembre-se que um downsizing agora pode evitar problemas maiores mais tarde, se Welch não tivesse feito isso no inicio dos anos 80, com certeza teria que eliminar muito mais empregos no futuro.
Lance mão das aquisições para dar o grande salto
«Esse é o negócio mais emocionante para a GE desde a RCA. o sucesso do negócio com a RCA - que foi talvez um dos acordos mais bem-sucedidos da história empresarial - faz bom agouro para o atual... Estamos fundindo duas empresas de alta tecnologia reais. Com faturamento real. Produzindo coisas reais.» (Jack Welch, falando da aquisição da Honeywell pela GE, outubro de 2000)
O salto mais ousado de Jack Welch, ocorreu justamente quando estava pronto para se aposentar do cargo de presidente e CEO da GE, no outono de 2000, Welch deparou-se com uma oportunidade única , boa demais para passar em brancas nuvens, seria o seu «grande salto», era a chance da GE comprar a Honeywell International, sediada em Morristown, New Jersey, fabricante de sistemas aeroespaciais, equipamentos de transporte e geração de energia, produtos químicos especiais, sistemas domésticos de segurança e monitoração, tanto a GE como a Honeywell faziam sistemas de geração de energia, plásticos e produtos químicos. Com essa aquisição a empresa que Jack «cultivava» desde os anos 80, iria se tornar muito, muito maior em faturamento, lucro e número de funcionários, o faturamento aumentou em 24 bilhões de dólares. Jack deu esse gigantesco salto em menos de 24 horas. Isso sim foi um grande salto!
Regras de Welch
- Não tenha medo de dar um grande salto, mesmo vá contra a cultura da empresa, quando Welch adquiriu a RCA as regras da GE foram reformuladas, não tenha medo de tomar uma medida ousada se ela for capaz de fazer a empresa avançar.
- Quem hesita está perdido, Welch provou que agir com rapidez pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso.
Cultura de aprendizado I: Promova a eliminação de fronteiras e o empowerment para incentivar uma cultura de aprendizado
A premissa operacional da atualidade diz que alguém, em algum lugar, tem uma idéia melhor.
Welch gostava de dizer que o que diferenciava a GE de todas as outras empresas era o fato se tratar de uma empresa de multiempreendimentos com uma cultura de aprendizado. Welch dizia que a cultura do aprendizado da GE melhorava o desempenho da empresa em varias formas, entre elas, margens operacionais, rotatividade de estoque, faturamento da empresa e etc.
O programa Work-out do inicio dos anos 90, preparou o palco para o incrível apetite da GE para novas idéias, em seu epicentro a premissa de que não é apenas da alta administração que sabe o que é melhor para os funcionários, conforme Jack observou: A premissa operacional hoje é que alguém, em algum lugar, tenha uma idéia melhor e a compulsão operacional é descobrir quem tem essa idéia melhor, aprende-la e colocá-la em ação, rapidamente.
Regras de Welch
- Implemente as melhores idéias, não importe de onde tenha saído, certifique que seus funcionários sabem que devem esquadrinhar o mundo exterior atrás de boas idéias.
- Certifique-se de que as boas idéias se façam seguir por sua implementação.
- Não subestime a troca de idéias no interior da empresa.
Cultura de aprendizado II: Instale as melhores idéias na empresa, não importa de onde tenham vindo
«Nós nos vemos como uma série de laboratórios que partilham idéias, recursos financeiros e pessoal administrativo. Esses são nossos três ingredientes para o sucesso, seja na área de utensílios domésticos, iluminação, plásticos ou qualquer outra coisa. Forme uma boa equipe, partilhe idéias entre todas as áreas, forneça a todos os recursos para trabalhar - só isso.»
Welch disse que se a GE dependesse exclusivamente de suas idéias, tudo isso aqui afundaria em menos de uma hora, a única forma de ser mais competitivo era envolver cada um dentro da empresa, não podia deixar ninguém de fora.
Regras de Welch
- Faça da busca de novas idéias uma prioridade de todos os funcionários.
- Promova regularmente reuniões de partilhamento de idéias.
- Recompense os funcionários que partilharem seus conhecimentos.
Promova a produtividade usando os três segredos (velocidade, simplicidade e autoconfiança!)
É preciso uma enorme autoconfiança para ser simples - sobretudo em grandes organizações. A burocracia tem horror à velocidade e detesta a simplicidade.
Aos definir os contornos de seu projeto para o futuro da GE, no final dos anos 80 e inicio dos anos 90, Jack observou que o maior erro que poderiam cometer nesse momento seria pensar que simplesmente repetir o que deu certo nos anos 80 bastaria para ser bem sucedido nos anos 90.
Welch resumiu sua receita em três palavras: Velocidade, simplicidade e autoconfiança.
Para ele a virtude da velocidade era permitir que as pessoas tomassem decisões em minutos, cara a cara, poupando meses de trabalho e florestas inteiras de papel, a simplicidade tinha inúmeras definições, o segredo era certificar-se de que o valor da simplicidade fosse enfatizado em todos os cantos da empresa, a autoconfiança é um dos elementos que ele mais feito ao longos dos anos, sempre enfatizando a importância de criar uma cultura e uma organização que a nutrice a confiança.
Regras de Welch
- Não parta do principio de que o que funcionou no passado funcionará no futuro, esse tema perpassa todos os escritos por Welch e é um dos segredos de seu sucesso, as empresas que enfatizam a velocidade, a simplicidade e a autoconfiança serão organizações produtivas capazes de mudar em função do ambiente e do mercado.
- Remova os obstáculos para gerar velocidade e autoconfiança, os lideres tem de expressar uma visão e certificar-se de que seus colaboradores tem consciência de como seu empenho ajuda a empresa ser vitoriosa.
- Lembre-se de que as mensagens simples são as melhores, mensagens complexas muitas vezes são confundidas ou mal interpretadas, os recados mais eficientes são simples de entender, porque elas acedem uma centelha nas pessoas e aumenta a produtividade, porque as pessoas conseguem "ver" o ideal.
Aja como uma pequena empresa
«As pequenas empresas são mais ágeis. Elas sabem o preço pago pela hesitação no mercado. O que estamos tentando incansavelmente conseguir é colocar a alma de uma pequena empresa - a sua velocidade - dentro do corpo de nossa grande empresa.»
Quando assumiu a empresa no inicio dos anos 80 a GE tinha mais de 400.000 funcionários, graças as sua maciça restruturação, que custou o apelido de «Nêutrom Jack», conseguiu reduzir consideravelmente a empresa para 270.000 funcionários, sendo que mais tarde quando introduziu o processo de qualidade Seis Sigmas que passou ser sua obsessão, Jack aceitou o fato de que teria que empregar novos funcionários para monitorar o programa.
Desde o inicio Jack queria que a empresa agisse como se fosse uma empresa muito menor, isso porque ele sabia que o tamanho apesar de todas as suas virtudes, pode impor fronteiras, limites. O tamanho pode ser um embaraço, pode inibir, essa é uma mensagem central de Jack ao ser indagado, do que ele gosta tanto nas empresas pequenas?, veja o que ele disse: «Comunicam-se melhor, sem confusões da burocracia ouvem além de falarem, as pequenas empresas são muitos ágeis, rápidas, nas pequenas empresas os lideres aparecem com muito mais transparência, seus desempenho e impacto ficam claros para todo o mundo». E finalmente «as pequenas empresas desperdiçam menos».
Regras de Welch
- Não parta do principio que grandes empresas não conseguem agir como pequenas empresas, Welch teve que se esforçar para conseguir isso, mas ele sabia que seria capaz de insulflar a paixão e a informalidade de uma pequena empresa na alma da GE.
- Estruture como uma pequena empresa, Welch removeu níveis hierárquicos e os chefes de departamento que não faziam diferença. Se sua organização é muito inchada, pense em reestruturar, eliminar camadas, as fronteiras, a necessidade de aprovação vinda de cima e tudo mais que torne a empresa lenta.
- Numa pequena empresa, todo mundo conhece o cliente, segundo ele, esse é um bom parâmetro que irá ajudá-lo a mensurar o desempenho de sua empresa. Welch gosta de comparar sua empresa à mercearia da esquina, se sua empresa é tão grande que parece que ninguém a conhecem, essa é a situação perfeita para essa medida.
Desperte a energia de seus funcionários
Para ficar mais rápido, mais produtivo e mais competitivo, desperte a energia, a capacidade intelectual e a autoconfiança do trabalhador americano, que ainda é, de longe, o mais produtivo e inovador do mundo, comenta Welch.
Na primeira fase da revolução que ocorreu nos anos 80, ocorreram enormes mudanças, entre elas, a transformação de 350 empresas em 12, as empresas que eram consideradas fundamentais do setor elétrico, deixaram de ser foco da companhia, a alta tecnologia passa ser o foco, foram reduzidos 25% dos funcionários, com aumento de faturamento e do lucro, Welch chamou esse período como a fase do hardware. Na segunda fase, no outono de 88, ele concentrava na mudança da autoridade, que deixava os gerentes e passaria aos funcionários responsáveis pela maior parte do trabalho, ele costumava dizer «transforme funcionários em donos».
Na sequencia, já nos anos 90, Welch lançou a próxima fase da revolução, que ele chamou de Work-out, que falarei mais adiante, mas consistia em dar apoio aos funcionários, fazer que se sentissem bem, etc, medida nada fácil para os gerentes, ceder aos mesmos a tomada de decisão.
Regras de Welch
- Desperte a produtividade, envolvendo todo o pessoal.
- Transforme os trabalhadores em dono, os donos tem muitos mais interesses pelos negócios.
- Tenha paciência, as atitudes não mudam da noite para o dia.
Escute as pessoas que efetivamente realizam o trabalho
«Nosso desejo é fazer essa criatividade aflorar... prestar mais atenção a essas idéias... e difundi-las por toda a empresa... desencadear um processo que chamamos de work-out.»
Esse processo achei muito interessante, onde ele juntava funcionários, gerentes, numa mesma reunião, para «lavarem roupa suja», com isso Welch queria atingir quatro metas, que eram: desenvolvimento de confiança, investir os funcionários de empowerment, eliminação do trabalho desnecessário e difusão da cultura da GE.
Haviam duas premissas no centro do Work-out, onde os funcionários tinham o direito de fazer perguntas diretamente aos seus superiores e também tinha o direito de obter uma resposta imediata, quando possível.
O modelo para o Work-out tinha sido uma assembléia municipal na Nova Inglaterra, onde os cidadãos locais tiveram um relevante diálogo com os vereadores da cidade.
Nessas reuniões debatiam sobre todas as atividades dentro da empresa, sendo que os debatedores tinham como foco principal quatro aspectos considerados muitos importantes, que eram: reuniões, relatórios, medidas e aprovações, questionando realmente quais atividades faziam sentido e quais não faziam, quais deveriam ser mantidas e quais deveriam ser eliminadas, objetivo era fazer as pessoas falarem, envolvendo-as no processo de tomada de decisão da empresa, ninguém tinha o direito de fazer qualquer anotação, nos primeiros dias da sessão , as anotações, segundo ele, podia representar mais burocracia e desperdício para o processo.
Regras de Welch
- O Work-out vira a hierarquia de cabeça para baixo, dando sinais claros que Welch queria transformar a GE de alto a baixo, os gerentes que não se enquadravam eram demitidos.
- O segredo do Work-out era permitir que todos falassem com liberdade, para ele o sucesso do programa dependia da disposição dos funcionários de falar aberta e francamente, sem medo de ser penalizado.
Coloque-se à disposição de seus funcionários e responda a todas perguntas que eles fazem
Pessoas acostumadas a ter o seu tempo e as suas mãos solicitadas pela empresa, agora viam o seu cérebro, os seus pontos de vista valorizados. E quando começamos a ouvir as idéias que tinham, ficou cada vez mais claro para todo mundo que as pessoas que realmente fazem o trabalho são as que melhor o conhecem.
Segundo Welch, no inicio da implementação do programa foi meio difícil, existiam enormes muralhavas invisíveis entre os chefes e funcionários, ele não tinham experiência fazer recomendações a seus chefes de como melhorar seu desempenho e também não tinham nenhum incentivo para isso, no princípio houve um silêncio constrangedor. Porém aos poucos em um departamento e outro o conceito Work-out começou a pegar, alguém criava coragem e falava.
E assim foi pegando, num determinado momento a grande maioria já «erguia a mão» e fazia seu questionamento, até o chegar ao ponto de uma secretária questionar seu gerente porque ela tinha que interromper seu trabalho a cada hora para recolher os materiais da sua pasta de «itens a tratar» sob a sua mesa. Ninguém conseguiu explicar se essa secretária conseguiu seu intento, mais foi dado-lhe o direito de questionar.
Regras de Welch
- Identifique aquelas regras práticas antigas que eram importantes no passado e hoje não tem mais sentido, toda empresa tem hábitos tolos que deveriam ser abolidos anos atrás, identifique-os e elimine-os.
- A coisa mais importante que um líder faz é buscar, acalentar e incentivar a voz da dignidade de cada pessoa, não espere por uma iniciativa que envolva toda a empresa para começar tratar bem as pessoas.
Faça da qualidade sua prioridade
Faça da qualidade a obrigação de cada funcionário.
Assim como o aprendizado sem fronteiras mudou nosso comportamento, a qualidade Seis Sigma mudará... nosso trabalho, disse Welch quando no final dos anos 90, ele estava se concentrando em conseguir que os lideres empresariais da GE esticassem as metas que tinham a ver com os processos, com a introdução de novos produtos, ciclos, etc, disse Welch: «Jamais chegaremos lá se não cuidarmos de nosso processo.»
A principio Welch viu e não gostou das técnicas do Seis Sigmas, ficou preocupado que esse sistema não estivesse em conformidade com as suas estratégias empresariais, enquanto o Work-out havia sido concebido para eliminar relatórios, as autorizações, as reuniões e as mensurações, o Seis Sigmas parecia querer trazer tudo isso de volta, porém no final de contas Welch foi convencido por seus funcionários, sobretudo pelo pessoal da produção, que «não acho que tenha haver conosco», referindo-se que esse processo não os faria perder os avanços conseguidos.
O Seis Sigmas é a mensuração dos erros em um milhão de operações, aplicando-se a todas as transações e não apenas a manufatura, quanto mais baixo o número de erros ,maior a qualidade. Um Sigma significa 68% dos produtos aceitáveis, Três Sigmas representa 99,7% de produtos aceitáveis, no Seis Sigmas, ocorrem apenas 3,4 defeitos para cada milhão de operações. Regras de Welch
- Os lideres empresariais devem criar formar de obter o máximo de seus funcionários.
- Os funcionários devem alcançar as metas fixadas e então ultrapassa-las.
- A qualidade de seus produtos e processos pode determinar o sucesso da empresa que você dirige.
- Descubra quanto tempo seus funcionários estão gastando para concertar um produto e reformulá-lo antes de envia-lo ao mercado.
- Torne o Seis Sigmas uma preocupação central.
Nota:
Ao longo desse trabalho, procurei condensar por assunto, portanto alguns segredos foram comentados num contexto geral, como por exemplo quando tratei do assunto de qualidade, tentei expressar meu entendimento em único tópico, pois no livro é tratado separadamente em vários segredos e outros que por conveniência própria deixei de comentar.
Comentários finais
Se sua empresa procura um lugar de destaque no mercado, se você procura um lugar de destaque dentro de sua empresa, seja criativo, seja ousado, mais acima de tudo tenha a sabedoria de reconhecer a capacidade dos que estão ao seu redor, e mais uma coisa, talvez a mais importante não complique, não burocratize, pense em cada tópico abaixo:
- Valorize o capital humano.
- Crie um projeto claro, simples e realista.
- Tenha paixão pela excelência, odeie a burocracia e todas as bobagens que a acompanham.
- Tenha a autoconfiança de investir os outros de empowerment.
- Incentive e aprecie a mudança.
- Veja na mudança uma oportunidade de crescimento.
- Tenha energia e contagie os outros.
- Busque sempre o conhecimento, seu maior capital.
- Não hesite, não vascile.
Finalizando, lembre-se que o capital humano é com certeza o maior patrimônio de uma empresa, valorizar o ser humano, ouvir e aceitar as idéias de seus funcionários, respeitar os valores da empresa, investir no aprendizado constante, fazer da qualidade uma obsessão tal como Welch, ter em mente que apenas uma coisa é certa, sempre haverá mudanças, o habilitará a adentrar nos «bondes» pilotados pelos «Welch's da vida».
Se você tiver mas ou menos esse perfil, o seu sucesso está quase que garantido, pois faltaria pouco, muito pouco, faltaria apenas um pequeno detalhe, basta matar um leão por dia.

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal