Fractais Fractais atacam na Wall Street

Benoit Mandelbrot O 'pai' da geometria dos fractais, Benoit Mandelbrot, voltou a meter a colher na área financeira, o que vem fazendo desde os anos 60, sem pedir licença a ninguém. Num artigo recente, publicado no mês passado, na revista «Scientific American» (edição de Fevereiro de 1999), ele critica as teorias de portfolio e culpa-as, em parte, por deixarem descalços os tubarões dos fundos de risco (os célebres 'hedge funds').

«É verdade que a teoria do portfolio serve para 95% do tempo. Simplesmente, os grandes acontecimentos, inesperados, acontecem nos 5% restantes. Uma analogia pode ser feita com o marinheiro no mar alto. Se o tempo está moderado em 95% da viagem, poderá o marinheiro ignorar a possibilidade de um tufão no período restante?», interroga-se Mandelbrot em 'A Multifractal Walk Down Wall Street'.

Responde, naturalmente, que a solução é a aplicação do seu modelo de fractais: «As variações nos preços financeiros podem ser abordadas a partir da geometria dos fractais - ou do seu posterior desenvolvimento, os multifractais. Eles não conseguem predizer o futuro, obviamente. Mas criam um quadro muito mais realista dos riscos de mercado».

Para a comunidade das finanças, Mandelbrot teria atirado ao lado do porta-aviões. Os modelos de portfolio que ele visa foram desenvolvidos nos anos 50 e já ninguém os usaria. Lamentam que um monstro sagrado como Mandelbrot «queira meter a colher numa área que tão obviamente desonhece, como se viesse salvar o mundo».

Contudo, não é a primeira vez. Desde os anos 60, que ele vem dizendo que as flutuações de preços nos mercados não são «suaves» e «regulares», mas «agitadas», «descontínuas» e concentradas no tempo. A realidade financeira seria um «acaso selvagem». Que o risco só rende em períodos favoráveis muito curtos e excepcionais. Ele introduziu o conceito de «fractal» em 1975 e aplicou-o, mais tarde, a vários fenómenos da natureza.

Livro: Fractals and Scaling in Finance: Discontinuity, Concentration, Risk A sua penúltima incursão nas finanças deu-se em 1997 com a publicação de Fractals and Scaling in Finance: Discontinuity, Concentration, Risk (compra do livro).

Benoit Mandelbrot foi desde 1987 professor de Ciências Matemáticas na Universidade de Yale e é um «fellow» emérito do Thomas J. Watson Research Center da IBM, em Nova Iorque.


OUTRAS OBRAS DE REFERÊNCIA DE MANDELBROT: