Não se pode imitar o Silicon Valley

Jorge Nascimento Rodrigues com Geoffrey Moore

Sendo o autor de The Gorilla Game um dos analistas do Silicon Valley mais ouvidos, quisemos saber que segredos esconde o Vale da tecnologia mais célebre do mundo e o que poderá ser 'imitado'. As respostas foram, porventura, surpreendentes.


Qual é o segredo deste Vale californiano em poucas palavras?

GEOFFREY MOORE - O segredo não é segredo nenhum, se calhar. Eu chamo-lhe a 'lei' do retorno crescente ou, melhor, dos efeitos da rede. Dito de outro modo, esta 'lei' postula muito simplesmente que a partir do momento em que qualquer tipo de rede é posta em marcha, e quanto mais se expande, mais valor adquire, mais atrai recursos, e mais dificil é para outros competir com ela. O que é que isto tem a ver com o Silicon Valley, está você a pensar ao franzir a testa. Pois bem, o Vale apanhou o primeiro momento da revolução da computação, e nunca mais parou, continuou a crescer segundo esta 'lei'.

Contudo falar assim de 'rede' parece-me um bocado abstracto. Como é que as coisas sucedem no terreno?

G.M. - Sucederam. Ao longo do que eu chamo a fase de penetração no mercado da nova tecnologia da Net e da Web, teceu-se, formou-se uma nova cadeia de valor aqui no Vale. Foi literalmente um novo mercado que emergiu, em que cada um descobriu o seu nicho, em que o crescimento se fez nicho a nicho, em que a entrada num nicho depois permitia alavancar a entrada de outros noutros nichos. Cada um vai dando de 'comer' a outros e assim sucessivamente. E a dado ponto transformou-se num tornado, ganhou massa crítica e pura e simplesmente proliferou como um virus.

Mas não será que Boston/Cambridge (onde está o MIT) ou Seattle (onde está a Microsoft) podem muito bem imitá-lo ou arranjar outros encantos?

G.M. - Boston, Seattle e até Nova Iorque - onde agora se fala de um Silicon Alley - podem desenvolver a estratégia de duas formas. Quando tentam imitar ou competir com o Silicon Valley, não podem ganhar, pois o mundo não precisa, muito simplesmente, de duas coisas destas iguais! Mas se, em vez disso, emulassem o Vale em torno de uma outra teccnologia emergente, aí, sim, funcionariam melhor. Aceitando fazer comparações, posso dizer-lhe que o Silicon Alley (de Nova Iorque) é um derivado. Quanto a Boston, se quer que lhe confesse, eu acho que dará a volta, pois tem um sistema de 'expertise' muito próprio e forte. A Célebre 'Route 128' era uma autêntica comunidade, uma verdadeira aglomeração tecnológica, só que acontece que tem atravessado tempos dificeis. Quanto a Seattle já duvido, pois a chave da sua economia está demasiado enfeudada a uma só empresa (a Microsoft), e não a uma rede.