A bíblia para estar na Web

por Jorge Nascimento Rodrigues
A ideia do livro Webonomics (compra do livro) surgiu a partir de um artigo de Evan Schwartz (evan@webonomics.com) publicado na revista «Wired» há dois anos atrás sobre Marketing na Web ("Advertising Webonomics 101", edição de Fevereiro de 1996), que atraíu enorme «feedback» por parte dos leitores.

Alguns dos princípios que Evan Schwartz aí defendia incomodaram seriamente a comunidade estabelecida do marketing, mas, em compensação, os leitores anónimos queriam saber mais sobre essa coisa esquisita que ele denominava de «webonomics», ou "estudo da produção, distribuição e consumo de bens, serviços e ideias na Web".

O livro acabaria por desenvolver os nove princípios desta economia e gerou uma onda de vendas e traduções, totalmente inesperada. Depois da edição americana, pela Broadway Books (pertencente à Bantan Doubleday, de Nova Iorque), seguiu-se a inglesa pela Penguin, e mais outras setes línguas «adoptaram» o livro - a portuguesa, no Brasil, através da editora Makron, a alemã, a holandesa, a espanhola, através da Deusto de Bilbao, a chinesa (em Taiwan), a japonesa e a coreana. Estão em negociação traduções para a China, em italiano e em hebreu.

O autor lançou, também, um «site» (www.webonomics.com) sobre o livro, onde alimenta uma «newsletter» de casos e onde se pode realizar um auto-diagnóstico da estratégia na Web do leitor.

Ele escreve para a revista «Wired» e foi repórter e editor para a área do software e dos media digitais na «Business Week». Vive no Massachusetts e tem 33 anos.

Depois deste êxito, está a trabalhar numa outra ideia em torno do comércio electrónico. Promete novidades, por isso "continuem sintonizados", recomenda. Um novo livro está no prelo. Segundo nos disse, o "comércio electrónico está a avançar mais rapidamente do que se previa, e continuará a ser uma área engraçada e excitante a acompanhar".

Schwartz concedeu-nos uma
entrevista que foi publicada, numa versão mais reduzida, na Digest DIGITAL de Março de 1998.