Serapião, o Sabichão

 

6
Quente... quente...


      Um dia destes recebi um "e-mail" do Serapião. Pedia-me que, quando eu pudesse,
      passasse por casa dele.

   Aliás, reparo agora que o início desta crónica é quase igual à do mês passado, mas o facto é que foi mesmo assim que a coisa começou. E, quando dei por mim, estava envolvido numa história completamente louca e que nunca mais esquecerei.
   Mas vamos por partes.
   Quando recebo uma dessas mensagens, não tardo a aparecer em casa dele pois, se há coisa de que eu gosto, é visitar o sótão do meu novo amigo - recanto esse que teria feito as minhas delícias se tivesse tido um na minha juventude.
   Ora, assim que lá cheguei, e logo depois de cumprimentar a avó Elisa como habitualmente, senti que tropeçava em qualquer coisa mole! Vi então que não se tratava de uma dobra do tapete da entrada (como ainda pensei) mas sim de um cão! Mais concretamente de um salsicha, pelos vistos aquisição recente lá de casa.
   E, assim como passei por cima dele, vou também passar por cima do facto de o bicho se ter assustado e me mordido uma canela ("canela" virá de "cão"?!) e vamos então ao assunto:
   Depois de subir ao sótão onde o nosso amigo me esperava, e quando já quase me esquecera da forma desagradável como fora recebido, fiquei surpreendido ao ver, num enorme monitor, um "site" de cães, exactamente da raça do novo inquilino. Era evidente que o Serapião se procurava informar, na Web, de assuntos relacionados com os salsichas, e pareceu-me até que estava na parte relativa às carraças, às pulgas e aos piolhos!
   - Ser um especialista em "bugs" tem destas coisas - comentou ele, rindo, e fazendo-me sinal para que me sentasse na caixa de um velho Mac.
   Depois, e como se tivesse esquecido de mim, continuou durante bastante tempo a clicar e a teclar com a rapidez que o caracteriza.
   - Estou a terminar mais uma partida para o meu pai - informou-me, por fim, espreguiçando-se. - Ele vai-me pagar a vergonha por que me fez passar!
   Referia-se, como explicou, ao facto de ter sido envolvido numa pequena aldrabice engendrada pelo Estultício na empresa dele, tentando fazer crer aos fiscais do Fundo Social Europeu que, na Tekno-Teknika, a formação em computadores era coisa banal.
   Ora, se há coisa que me diverte, é ver o Grande Engenheiro (que se acha a pessoa mais inteligente do mundo) a fazer figura de parvo. Assim, esforcei-me por prestar a minha melhor atenção, pois decerto era algo nesse sentido o que se preparava...
   Isto passava-se ao fim da tarde e, como estava na hora de o Estultício chegar a casa, não fiquei admirado quando ouvi, ao longe e lá em baixo, a porta da rua a abrir-se e depois a fechar-se. E, a breve trecho, o nosso homem (sabendo, pela sogra, da minha presença) subia a custo as íngremes e rangentes escadas para se juntar a nós.
   Foi rápido nos cumprimentos pois, pelos vistos, sabia (ou julgava saber...) o que o Serapião estava a engendrar e o assunto interessava-o de sobremaneira. O nosso jovem virou-se então para mim, piscou-me o olho, e, rodando um pouco o monitor para eu ver melhor, desvendou a primeira parte do mistério:
   - O meu pai acha que deve ser possível arranjar um endereço de "e-mail" para o Bobi. Eu estou a ver se é verdade e, pelas pesquisas que já fiz, palpita-me que ele tem razão!
   Apesar de saber que se tratava de uma brincadeira ainda por explicar, fiquei perplexo! O Estultício, pessoa a quem tudo o que é digital faz confusão, queria ligar o animal à Internet?! E o Serapião, embora no gozo, propunha-se ajudá-lo?! Estaria tudo doido?!!
   Mas resolvi ficar calado e esperar, pois era claro que seria uma questão de minutos até ficar a perceber tudo.
   O Grande Engenheiro, sorrindo e puxando as calças ligeiramente para cima, já se repimpara a meu lado, num poeirento 486, e seguia atentamente os trabalhos do filho. E, virando-se para mim, comentou, à laia de explicação:
   - Não são vocês que dizem que hoje em dia qualquer gato-sapato tem "e-mail"? Ora, se um gato pode ter, um cão também pode! Além disso, há a famosa frase que diz que «na Internet ninguém sabe que tu és um cão!».
   Riu-se com gosto e voltou a debruçar-se sobre o monitor onde se sucediam algumas imagens.
   - BINGO! Vêem como eu tinha razão? - gritou ele, de súbito, dando uma grande palmada nos joelhos, que acompanhou com uma homérica gargalhada.
   Claro que tudo aquilo tinha sido preparado pelo Serapião, especialmente os fantasiosos "links" finais que, de clique em clique e por associação de ideias, conduziam (quer automaticamente quer activados pelo próprio Estultício), de cão-salsicha a salsicha; em seguida a hotdog, a mail... e por fim ao famoso Hotmail!

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte