Salvador, o Consultor


A par e (a) passo

     Quando, há dias, encontrei o Salvador na leitaria, ele estava tão absorto a ler a "Valor" de 11 de Janeiro passado que nem deu por mim até que me sentei na sua frente. Mesmo assim, e para o espevitar, dei-lhe uma palmada no ombro e intimei-o:
     - Acorda, homem!
     Pôs a revista de lado, sorriu e comentou:
     - Estou a preparar-me para um nicho de mercado fabuloso!
     E, antes que pudesse perguntar-lhe alguma coisa, exclamou:
     - Olha! Ali vem ele! Vais conhecer o "Água-Destilada".
     Que história seria essa?! Mas o mistério não durou muito pois, ainda antes que um gorducho cavalheiro assomasse à porta, houve tempo para o Salvador me explicar:
     - É um colega do liceu. Ele era muito mortiço... Demos-lhe a alcunha de "O Água-Destilada" por ser insípido, inodoro e incolor.
     Riu-se e completou o esclarecimento com uma informação espantosa:
     - Até há algum tempo foi deputado. Um daqueles que atravessam a legislatura toda sem que ninguém dê por eles. Por isso, além das outras características, podemos também dizer que é invisível.
     Mas a conversa teve de ser interrompida pois o cavalheiro já entrara na leitaria, já dera com o velho amigo, e aproximava-se agora de braços abertos!
     Depois das apresentações, vim então a perceber o que se passava:
     O Grande Consultor, depois de ter feito uma estimativa do número de políticos sofrendo de iliteracia informática, tentava agora, através dos seus conhecimentos, obter um vão-de-escada no Palácio de S. Bento para onde pudesse levar o seu "e-kit de emergência" e montar um negócio personalizado de conversão de políticos às novas tecnologias.
     E estava até a tentar arranjar um lugar no parque de estacionamento da Assembleia da República para o seu Cadillac "... para que a assistência tecnológica possa ser feita em boas condições", como esclarecia.
     O visitante, pelos vistos, e apesar de já não ser deputado, mantinha muito boas relações no meio político.
     - Olha lá, ó... - O Salvador já não se recordava do nome dele mas também não o queria tratar pela alcunha... - e tu? Já tens e-mail?
     O outro fungou, pediu um café e ficou em silêncio, seguindo atentamente o caprichoso trajecto de uma mosca que por ali andava. Mas o Salvador tanto insistiu, que ele acabou por responder:
     - Hummm... Internet?! Isso mete alta tecnologia... Parece que já há alguns deputados que usam isso, lá no Parlamento. Mas eu, dessas coisas, não estou a par, lamento...

***

DESTAQUE

Como é poderia haver alguém com o nome (ou alcunha) de "Água Destilada"?

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte