Salvador, o Consultor


A Experiência Secreta - I

     Estava eu muito sossegado, quando o Salvador me telefonou pedindo ajuda e adiantando que se tratava de um trabalho extremamente interessante. Por isso, assim que pude, "desenfiei-me" do emprego e fui até ao seu escritório.
     Ele e a D. Rosa já me esperavam, com a senhora dentro do velho Cadillac, enquanto ele se esforçava por o pôr a trabalhar com a ajuda de pontapés científicos. Acabou por ser preciso recorrer a um bom empurrão e, finalmente, lá fomos, rumo a um destino que só eles sabiam. De qualquer forma, eu estava à espera de tudo menos de parar junto a um estabelecimento prisional!
     - E podemos estacionar aqui? - perguntei, atónito.
     - Não vamos estacionar, vamos entrar.
     - Numa prisão?!
     - Exactamente!
     Depois de algumas formalidades, atravessámos os portões, estacionámos no pátio, e fomos conduzidos a uma pequena sala. Eu resmunguei, agastado com tanto segredo:
     - Espero que nos deixem sair daqui e que me expliques o que é que cá vim fazer!
     - Trata-se de um programa ultra-secreto de integração de reclusos na sociedade - esclareceu a D. Rosa.
     Fiquei na mesma. E foi nessa altura, enquanto eu coçava a cabeça tentando perceber o que se estava a passar, que entrou um cavalheiro de ar marcial. Olhou para mim, desconfiado, e só se mostrou tranquilo quando o Salvador me apresentou como sendo pessoa da sua total confiança.
     O homem olhou em volta, fechou a porta depois de confirmar que ninguém nos podia escutar, e fez-nos sinal para nos sentarmos. Depois, virando-se para eles, comentou secamente:
     - O programa que nos venderam vai ter de ser alterado urgentemente ou teremos de escolher outros presos-cobaias.
     Vim, então, a saber o grande segredo.
     Numa experiência-piloto altamente secreta, tinha sido introduzida a Internet naquele estabelecimento prisional. Além de navegarem, os reclusos podiam enviar e receber correio electrónico com total confidencialidade! Apenas com uma excepção: o server estava equipado com um filtro e reagia a PALAVRAS SUSPEITAS, tais como "evasão", "fuga", "armas", etc, casos esses em que accionava um alarme e o correio era, em seguida, completamente devassado. E até expressões como "armado em parvo" eram suspeitas!!
     E fora o Grande Consultor quem fornecera tudo, evidentemente.
     - O problema é o que tem a alcunha de Chico Piolhos. Como é que o homem pode ter privacidade se o apelido dele é Lima e o da namorada, a quem escreve a toda a hora, é Serra?

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte