Salvador, o Consultor


Um Homem das Arábias! - I

     Um dia destes fui dar com o Salvador a fazer pesquisas na Internet relacionadas com o petróleo o que, dada a crise no Médio Oriente e a ameaça de um novo choque petrolífero, não era nada de espantar.
     Além do mais, desde que tem um Cadillac dos anos 50 é natural que tenha de se preocupar com o consumo de gasolina embora, como ele diz, «Ele até ande com after-shave!». O carro, apesar de ter um aspecto impecável, mexe-se tão devagar e é tão grande que, muitas vezes, começa por passar com os semáforos no verde e acaba com o vermelho. E quando reboca a roulotte e o atrelado para cães é frequente que o último trambolho volte a apanhar o sinal verde! Tudo coisas que enlouquecem o polícia de trânsito ali da zona, que ainda não sabe quantas multas há-de aplicar no estacionamento dos parquímetros quando aquelas carripanas todas ocupam três ou quatro lugares.
     Mas isso, agora, não vem ao caso.
     Como ia dizendo, o Salvador andava de roda da Internet, e ali estava ele, sisudo e compenetrado, a navegar no ciberespaço para um lado e para o outro.
     - Não o interrompa agora! - Pediu-me a D. Rosa - Ele hoje está muito nervoso. Parece que não encontra o que procura, e anda naquilo há imenso tempo.
     - Então acho que o devo interromper mesmo! - Respondi eu, resoluto - Os amigos são para as ocasiões!
     E entrei pelo escritório adentro, indiferente ao aviso da prestável assessora.
     A minha primeira reacção foi de surpresa:
     O nosso amigo estava mesmo furioso, e pareceu-me que, a breve trecho, iria partir o monitor ou, pelo menos, esmurrar o teclado!
     - Só se o nome do homem se escrever em caracteres árabes! - Desabafou, por fim, como se eu soubesse perfeitamente o que é que ele procurava.
     E prosseguiu:
     - Se for assim, não admira que os motores de busca não o encontrem... E olha que já tentei todos os que conheço!
     Com um rápido olhar vi que o assunto da pesquisa tinha a ver com nomes de Sheiks! Teria ele já alargado a sua área de influência aos Emiratos Árabes., à Arábia Saudita...?! Sabia-se lá! Com o Salvador tudo é possível!
     Mas quando, ao fim de algum tempo, percebi exactamente o que se passava, dei uma gargalhada que se deve ter ouvido na rua:
     O nosso amigo tentava apenas ajudar a filha num trabalho de Literatura inglesa. Procurava referências na Internet e - quem sabe? - talvez até encontrasse algum trabalhito já feito que pudesse copiar sem dar muito nas vistas...
     Até aí, tudo bem. O que eu não podia compreender era que ele procurasse um tal Sheik... Spiar!

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte