Salvador, o Consultor


Software personalizado

Acabadas as férias algarvias, Salvador regressou ao gabinete que o sobrinho lhe dispensa a partir das 18h. Ah! E trouxe consigo o novo bólide...


     Finalmente o nosso amigo abandonou o meu precioso T2 algarvio e regressou ao trabalho na capital.
     Foi um grande alívio para mim, apesar de ter ficado com uma garrafeira bastante bem recheada, pois, de cada vez que iam partindo qualquer coisa lá em casa, o Salvador, escrupulosamente, compensava o prejuízo com a aquisição de uma garrafa de valor mais ou menos correspondente.
     Imaginava-o, todas as noites, preocupado com o prejuízo do dia, a navegar no ciberespaço em busca de preços de vinhos, aguardentes e whiskys, para - usando o e-commerce, claro! - encomendar a garrafa compensadora e respirar, depois, de consciência tranquila.
     Sempre lhe omiti o facto de o médico me ter proibido de beber, não só para evitar embaraçá-lo mas também porque uma boa garrafeira é sempre um investimento, nem que seja para as visitas.
     Salvador trouxera para Lisboa o seu novo Cadillac que, embora tendo feito a viagem a custo (devido ao esforço de rebocar a roulotte e o carro para cães com a aparelhagem informática), estava agora, resplandecente, parado à porta do escritório, ocupando vários lugares de estacionamento (o que fazia com que o fiscal dos parquímetros coçasse a cabeça, sem saber quantas multas passar).
     Já agora será de referir que, tendo deixado a roulotte e o atrelado no quintal da casa, transformara a parte de trás do espadalhão num espaçoso escritório e metera no tejadilho uma antena para ligação à Internet por satélite! Podia ler-se, em letras douradas:

     
Ciberespaço ambulante
Consultoria 24h/dia em Novas Tecnologias!
Satisfação garantida - Pergunte-me como


     Mas vamos ao que interessa.
     Como sabem, é cada vez mais frequente que o Salvador me peça para o ajudar a resolver problemas. Quer os seus, quer os que os clientes lhe colocam, como veremos no caso de hoje.
     Isto já começa a ser, felizmente, uma autêntica bola de neve, devido à qual eu também vou facturando uns tostões embora mantendo-me sempre na sombra. Até é bastante estimulante ser-se "consultor de um consultor", e o certo é que ele, com a minha ajuda, lá vai arranjando prestígio, as pessoas vão passando a palavra umas às outras, e o trabalho e o dinheiro vão aparecendo em quantidade cada vez maior.
     E quanto à qualidade do nosso serviço julgo que também não há razões de queixa, embora a técnica esteja a evoluir a uma velocidade fabulosa, as "novas tecnologias" estejam a nascer como cogumelos, e tanto eu como o Salvador tenhamos, por vezes, dificuldade em acompanhá-las.
     Para já, e até ver, temos "chegado para as encomendas"; ou porque os clientes não são tão exigentes como ao princípio parecem, ou porque as ajudas surgem quando (e de onde) menos se espera.
     Desta vez fui dar com ele a ler atentamente documentação técnica de programas de desenho por computador.
     - Sabes? Meti-me neste negócio por associação de ideias.
     Referia-se, como explicou, ao Cad...illac e prosseguiu:
     - Já me apareceu um bom cliente e acabei de customizar software para ele.
     Boa! O Salvador aprendera umas coisas! E continuou:
     - Também já sei que C.A.D. significa "Computer Aided Design" e não "Com a Ajuda de Deus"... - riu-se, feliz por mostrar como estava a par disso tudo - E, vê lá tu, até já sei que há software para desenho 2D e 3D!
     Claro, tratava-se de programas para desenho a duas e a três dimensões. E, contente por poder provar como dominava a parte comercial tão bem como a técnica, adiantou:
     - Pelo menos quanto aos programas que eu vendo, os de 3D são mais caros que os de 2D, embora o meu principal cliente, o Dr. Diospiro, ache que devia ser ao contrário.
     A afirmação era estranha, mas não lhe cheguei a responder porque, nessa mesma altura, tocou o telefone. Era o tal Dr. Diospiro.
     Esse cavalheiro, pelo que vim a perceber, era dono de uma fábrica de chinelos. Exibia uma boa dose de ignorância no que respeitava a "essas modernices", e (como é frequente nesses casos) até fazia uma certa gala nisso. O Salvador fez-me sinal para estar com atenção à conversa e ligou o altifalante. Dizia o cavalheiro:
     - Você já deve ter recebido aí uma amostra dos chinelos que fabricamos, não é verdade?
     - Certo, Sr. Doutor. Já foram devidamente passados num scanner e digitalizados com a resolução super-máxima.
     - Sim senhor, aí está o que se chama "uma boa resolução"! Tem então para vender programas 2D e 3D... Hummm... Você é que sabe o que mais me convém. Mas olhe lá: e para 4D, não me arranja nada?
     Abri a boca de espanto! O homem queria um programa de desenho para QUATRO DIMENSÕES?! Isso já metia Teoria da Relatividade e tudo! Mas não era coisa que atrapalhasse o Grande Consultor, que lhe respondeu:
     - Claro, Sr. Doutor. Já falámos nisso, mas volto a dizer-lhe que fica mais bem servido com o programa de 1D. E faço-lhe o mesmo preço.
     - Acha que sim? - estranhou o outro - Olhe que eu confio nas suas capacidades de perito nessas tecnologias... Veja lá o que me arranja!
     Depois de desligar, o Salvador sorriu, abriu uma gaveta, tirou dela um envelope almofadado, e preparou-se para fazer o envio de um CD com software de desenho que ele já adaptara ao projecto de chinelos do Dr. Diospiro.
     Por fim comentou:
     - Se nos despacharmos, ainda hoje segue por Correio Azul e chega lá amanhã. Demora, portanto, 1 dia a entregar. É o tal "1D", como expliquei ao homem num telefonema anterior a que tu não assististe.

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte