Chamem o(s) 115! (*)

Tão cedo ninguém se vai esquecer dos caricatos episódios da aprovação da Lei de Programação Militar:
Começaram por se "contar" 115 deputados, depois desencantou-se um 116º (que se tinha esquecido de assinar o ponto), e a saga - que ainda não acabou - prosseguiu com uma promulgação presidencial sem que se ficasse a saber muito bem quantos representantes do povo estariam de facto presentes na altura da votação.

Pouco depois, no entanto, ficámos a saber duas coisas muito importantes:

PRIMEIRO: que problemas desse tipo se podiam resolver se houvesse um sistema de votação electrónica.

SEGUNDO: que isso já existe no Parlamento desde 1999, custou "algum dinheiro ao país" (uns 77000 contos), mas nunca foi usado.

Além das inevitáveis considerações sobre a forma como são gastos os nossos dinheiros (o que seria um lugar-comum), podíamos meditar sobre a apetência da classe política por "modernices" tais como a Internet, o e-mail, os computadores e coisas desse tipo.
Mas tudo está bem quando acaba bem: parece que a máquina vai ser estreada "qualquer dia".

Nesta altura da redacção, eu preparava-me para terminar com uma nota de pretenso humor, dizendo:

«Já agora, e se ainda for a tempo, podia ser feita uma melhoria:
Instalar-se, na consola dos presidentes dos grupos parlamentares, um botão especial, rotulado ACE (Acordo de Cavalheiros Electrónico) que permita que, uma vez accionado, seja considerada a totalidade dos deputados do seu partido».

Mas parece que a minha ficção foi ultrapassada pela realidade:
Pelo que hoje li, um sistema que permite esse resultado... já está previsto!


Publicado na RECORTES de 16 de Nov. 2001
(*) Este texto é uma variante mais actualizada de «Política Digital no Parlamento»,
publicado na mesma semana no semanário "Expresso"
Foi também publicada uma versão resumida na revista "VISÃO" de 22 de Nov. 2001

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte