O Administra-dor

por Medina Ribeiro

-Anda cá, Jeremias, vou-te apresentar uma pessoa que ainda não conheces porque só cá vem de vez em quando.

O Doctor Robert, nessa manhã, estava particularmente bem disposto porque era a última sexta-feira do trimestre e nesses dias acontecia sempre uma coisa interessante e divertida:
A palestra do Master Mikaka1!
Tratava-se de um Master in Management oriundo do Japão e com provas dadas em Itália, e que aparecera um belo dia na Makro-Teknika propondo os seus serviços de especialista em gestão e reorganização de empresas segundo um novo método nipónico.
Apresentara-se com um curriculum escrito em japonês (que o Dr. Minudêncio observara com ar entendido e crítico) mas exprimia-se naquilo a que vulgarmente se chama um inglês-das-docas e com muitos termos italianos à mistura.
Ora - e isso tinha sido decisivo para o Doutor o contratar - no cartão de visita constava, por baixo do nome e em puro português:

= Administrador =

- E é mesmo administrador? - perguntou o nosso amigo quando iam a chegar ao gabinete dessa personagem.

Jeremias teve que dar tempo a que a já previsível gargalhada se iniciasse, desenrolasse e acabasse…

- Ao princípio todos nós acreditámos nisso, pois não é coisa que uma pessoa se ponha a aldrabar, assim sem mais nem menos…
- E afinal…?
- Bem… veio-se a saber que nesse ano era administrador do condomínio onde vivia.
- E não correram com ele?
- Ora… Há sempre um lugar para um infeliz desses. Além do mais, um administrador de condomínio faz sempre jeito. Mas o pior foi que lhe deram ouvidos quando começou a debitar as suas ideias geniais de gestão à japonesa

E o Doctor Robert, contendo o riso com algum esforço, continuou a tentar fazer luz no cérebro do pobre jovem a quem já nada, naquela casa, deveria fazer confusão:

- Um dia, quando eu comecei a defender que a Makro-Teknika estava a ir por-água-abaixo por falta de espírito de equipa e de formação das pessoas, ele convenceu os sócios de que os problemas não eram esses mas sim a má estruturação da casa.
- Se calhar também tem importância… Mas, afinal, o que é isso da gestão à japonesa?
- Não sei… O certo é que ele apareceu aí com uma mala cheia de cubos de brincar e escreveu em cada face os nomes das pessoas da Makro-Teknika.
- Não é possível!
- Aqui tudo é possível. Depois, e desde esse dia, passa tempos infinitos a fazer composições de cubos, usando-os para simular e experimentar novos organogramas2. Depois, na última sexta-feira de cada trimestre, vem cá e faz uma palestra sobre gestão e reengenharia da empresa em que propõe as soluções a experimentar no trimestre seguinte.

Estavam agora junto à porta do gabinete de Master Mikaka e preparavam-se para entrar.
Mas…

- Se calhar é melhor não o interrompermos. Ele parece muito ocupado a preparar a intervenção para esta tarde, no auditório...

De facto, espreitando pela porta entreaberta, podia-se ver um homenzinho de aspecto oriental, de óculos de aro e fato às riscas, manipulando freneticamente uma enorme colecção de cubos que colocava em estranhas posições.

- Há assim tantas combinações possíveis?! - perguntou, num sussurro, o nosso amigo.
- Nem imaginas! Primeiro, ele defendia uma empresa com organização em pirâmide, com a base em baixo…
- Não é o habitual? - estranhou Jeremias.
- Devia ser, mas aqui não é muito apreciada e não deu nada. Por isso depois experimentou-se a pirâmide de bico para baixo… A seguir experimentou-se a estrutura vertical, correspondente aos cubinhos todos encarrapitados uns em cima dos outros… Depois, a horizontal, representada pelos cubinhos em combóio… Mas, por mais que lhe façam a vontade, esta chafarica nunca se endireita. O mal está nas mentalidades das pessoas, Jeremias… Isto não vai lá com a troca de gabinetes, como este patusco quer e alguns julgam…Olha: para mim, os que vão na conversa dele… são burros ao cubo!

Nessa altura um estranho ruído de desabamento, saído precisamente do gabinete do sábio, levou-os a espreitar discretamente pela porta entreaberta:
O homem, de gatas, apanhava um a um os cubos que tinham caído e se haviam espalhado pelos quatro cantos do gabinete.

- Coitado… - comentou o Doctor Robert, afastando-se e levando o nosso jovem pelo braço - É melhor não o interrompermos agora. Palpita-me que ele hoje… ou vai apresentar o novo método de downsizing ou a chamada Organização em Torre de Pisa


1 Não se trata de humor de mau-gosto. O nome existe mesmo
2 Parece que agora já não se diz «organigramas»