O Meu Amigo Oliveira - III

(Texto publicado na revista "Valor" de 26 de Julho de 2001,
na Secção «Humor - Salvador, o Consultor»)

   Quando o Salvador vai de férias (ou desaparece de circulação) tenho de recorrer a histórias passadas com outros amigos para poder honrar o compromisso semanal com a Revista. Mas, felizmente, o meu amigo Oliveira (de quem já aqui se falou) anda sempre por perto. Ora vejamos porque é que hoje me lembrei dele:
   Todos os dias tenho de me cruzar com pessoas que não dizem bom-dia nem boa-tarde. Quero dizer: quando as cumprimento, não me respondem. Nem a mim nem a ninguém. São uma espécie de zombies, que, no entanto, até falam, pois se precisam de alguma coisa lá aparecem eles, cheios de sorrisos.
   Mas o mundo é mesmo assim, e temos de aturar todas estas idiossincrasias.
   Ora esta atitude também tem a sua expressão no ciberespaço: são os que não respondem aos e-mails.
   Perguntei ao Climático - com indicação de urgência - se sabia a nova morada da minha Repartição de Finanças. Recebeu a mensagem, sabia a resposta... mas não respondeu!
   Soube que a Ana Lógica estava a precisar imenso de uma minuta para uma procuração. Arranjei-lha e fiz-lha chegar, através do ciberespaço. Resolveu o seu problema... mas até hoje não foi capaz de mo dizer!
   Preveni o Carunchoso de que a casa dele ia ser inundada pelas cheias do Tejo. Precaveu-se, pôs a mobília a bom recato... mas não se deu ao trabalho de dizer Água vai!
   Acontece que, tendo eu bastantes biólogos na família, aprendi a distinguir algumas espécies destas. É que, além dos simplesmente mal-educados, há ainda os ciberzombies, os inforfóbicos e os infor-trôpegos.
   Ora atente-se nesta pequena história que até é verdadeira:
   - Então?! Não viu as encomendas que lhe fiz por e-mail na semana passada?! - pergunto eu, pelo telefone, a um fornecedor.
   - Sim, sim, vi. Porquê? - nota-se alguma insegurança no homem...
   - Porque não me respondeu! - argumento eu, convencido de que uso uma lógica absolutamente imparável.
   Mas um bom infor-trôpego tem sempre boas respostas:
   - Bem, o problema é que não sei como é que se faz isso...
   - Então você não vê no monitor um ícone que diz reply?! - (não desarmo!)
   - Não... Ora deixe cá ver... O meu programa de correio electrónico é em português... Só se for este... Mas não diz reply... diz responder...
   Há uns dias, estive a reler uma história que se passou comigo e com o meu amigo Oliveira. Tratava-se de um velho recorte de jornal em que se dava a entender que até já o John Lennon teria usado o e-mail nos tempos do Let it Be... Está explicado, portanto, porque é que ele escreveu também o No Reply.

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal