Guru e Empresário

19
Os Extraterrestres

- Olha lá, tu não acreditas em extraterrestres?
Foi esta espantosa pergunta que o Januário me atirou, ontem à tarde, num daqueles telefonemas inesperados que só ele sabe fazer.
Mas, como eu - de espantado - tardasse em responder-lhe, desfechou-me:
- Esquece. Já sei que quando eu mais preciso de ti é que tu não estás disponível.
E desligou abruptamente o telefone!
Ora eu julgo que ele já se apercebeu de que esse é um bom truque, ou seja: é a melhor forma de garantir que, levado pela curiosidade, eu apareço na loja dele pouco tempo depois!

***

E assim foi.
Logo que pude e apanhei o chefe distraído, esgueirei-me porta-fora, apanhei o autocarro, e em menos de nada batia à porta do Grande Empresário com o ar mais natural do mundo.
E foi também com ar de grande naturalidade que ele me mostrou uma estranha e diabólica geringonça:
O seu 486 (o antigo 386 "up-gradado", ao qual ele continua a chamar 387), ligado, com um emaranhado de fios, a um rádio podre e a uma televisão velha!
E tudo aquilo irradiando uma barulheira infernal e desagradável, para não dizer insuportável!
Mas indo direito ao assunto: Januário aderira ao programa seti@home!

***

(A expressão é um acrónimo, tirado do inglês, de «Pesquisa de Inteligência Extraterrestre, em Casa»: a rapaziada ligada à Internet pode, se aderir a essa iniciativa, ajudar a procurar sinais emitidos por extraterrestres, usando o fabuloso poder de cálculo correspondente a uma infinidade de computadores - os seus - ligados entre si e num projecto comum. O nome, além de bem apanhado, remete-nos também para o filme do «ET» e para todo o seu imaginário)

***

Enfim, sorri, pensando que aquela era uma forma (inofensiva e como outra qualquer) de o meu amigo estar entretido quando o trabalho escasseava...
Mas ainda faltava a melhor:
A incontornável D. Rosa ajudava à festa, ora teclando, ora rodopiando e clicando com o rato, ora rodando os botões dos aparelhos!
Para percorrer, segundo me explicou, todo o espectro de frequências extraterrestres...
Aquilo era demais para a minha cabeça!
Tendo percebido até bem demais o que se estava a passar, preparava-me para me despedir e sair de ao pé daqueles dois malucos quando, de súbito...
- APANHEI-OS, chefe!!!! Vamos ficar ricos!!! - bradou a prestável senhora.
De facto, um estranho pi-pi-pi substituía, agora e de súbito, a cacofonia insuportável que até aí imperara.
Mas foi com alguma tristeza que tive de explicar aqueles dois que o que se estava a ouvir era, simplesmente, o buzinão do pessoal a protestar contra o aumento dos combustíveis...

***

A história até podia acabar aqui, que já tinha alguma graça.
Mas ainda houve um pequeno post-scriptum (um verdadeiro PS!!):
Foi quando, a seguir, apareceram no écran da televisão umas imagens muito tremidas (e com fantasma...) de uns membros do governo a tentar desdramatizar o assunto.
E o Januário comentou, mas agora já em tom abatido:
- Pronto... Estão ali os verdadeiros extraterrestres...
Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte