Crónicas do Estultício


5
Grande Porcaria!

Talvez estejam recordados de quando o Eng. Estultício me contou, envergonhado, que recorrera à Internet para se informar dos hábitos e costumes dos talibans com quem queria estreitar relações comerciais...

Pois é verdade. Apesar de ser dono de uma empresa técnica - a Tekno-Teknika - o nosso amigo mantém-se "agarrado como uma lapa" à peregrina ideia de que «Progresso, só o estritamente indispensável».
Continua a defender a opinião de que «isso da Internet é uma moda e uma coisa para garotos», pelo que essa tal navegação, de que em tempos vos falei, fora feita à porta fechada, muito possivelmente às escondidas, e decerto fora de horas.
Mas o certo é que o Estultício lá andara a navegar na Web, de link em link como um surfista encartado, a informar-se sobre os hábitos de outros povos e culturas (nomeadamente os relacionados com a civilização islâmica!) pois queria - e muito bem! - dedicar-se à exportação.
E o resultado fora que, à força de estudar os hábitos muçulmanos (o Corão, o Ramadão, o Ano Lunar, as recusas do álcool e da carne de porco, etc., etc.), acabara por ficar um especialista nesses assuntos inter-civilizacionais.
E aposto que, no próximo Natal, já não vai voltar a enviar aos fundamentalistas do Afeganistão cartões de boas-festas com o Menino Jesus e o Presépio!
Pois um dia destes, e quando eu menos esperava, voltei a encontrá-lo.
Lá estava ele, exibindo, como sempre, o seu ar próspero e sorridente, saboreando uma cerveja fresca na esplanada do costume, na companhia do Sr. Batatinha, o seu fiel funcionário.
Não me pareceu que estivessem a ler nada, muito menos a "Internet Prática", pelo que eu não devia correr o risco de ser confrontado com o texto do mês passado em que, como já vai sendo hábito, gozava com ele.
Mesmo assim, quando, ainda ao longe, ele me viu e chamou, foi com algum alívio que eu reparei que o fazia com um ar descontraído e até de grande prazer.
Cumprimentámo-nos e, satisfeito por ele não me ter atirado com o terrível e habitual «Sente-se aqui, seu maroto, que temos muito que conversar!», reparei que uma cadeira vazia já estava à minha espera e até o meu copo de água já vinha a caminho...
- Hoje vou dar-lhe uma grande notícia! - desfechou-me ele, com uma sonora palmada nas costas. - Mas sente-se primeiro, pois é de arromba e não dá para você a ouvir e ficar de pé!
E assim fiz. Ele, então, recostando-se com indisfarçado gozo, começou a contar, pausadamente, a grande novidade:
- Lembra-se da história dos talibans e do Vinho do Porto que os imbecis da Makro-Teknika lhes ofereceram?
Claro que me lembrava. Uma barbaridade dessas não é coisa que alguém esqueça!
- E lembra-se, também, que fiquei a saber tudo sobre Pais-Natais, carnes de porco, etc., devido à Internet?
Evidentemente que também me recordava. E isso até me dera um grande prazer, pois fico sempre imensamente feliz quando vejo algum inforfóbico reconhecer que "essas modernices" servem para alguma coisa...
- Pois fique sabendo: no seguimento dessa minha incursão pelo ciberespaço de que você tanto gosta, o meu filho, que veio a saber da coisa, convenceu-me.
Fez uma pausa, e prosseguiu:
- Convenceu-me a investir no negócio que dizem que "está a dar", e vou transformar-me num ISP de primeiríssima categoria!
A minha boca ia-se abrindo até ao chão! O Estultício ia ser Internet Service Provider?! Não era possível!
Bem, desde que vi um peru a andar de skate já acredito em tudo!
E foi nessa altura que reparei que o Sr. Batatinha começava a torcer-se e a fungar, tentando disfarçar o riso. Simulava tossir, assoar-se, engasgar-se... e até fazia de conta que apertava os atacadores dos sapatos!
Logo depois levantou-se, deu a desculpa de que tinha de ir buscar a mulher não sei aonde, e eu aproveitei também para sair dali e tentar saber o que estava a acontecer.
E foi já na paragem do autocarro que ele, como de costume, desembuchou:
- O diabo do rapaz resolveu gozar com o pai e convenceu-o de que agora "o que estava a dar" era isso dos ISP...
- De facto, com a Internet gratuita, isso pode ter sido uma mentira muito subtil e refinada! - comentei eu.
- Nada disso! A coisa foi pior ainda! O miúdo, aproveitando ser 1º de Abril, "explicou" ao Chefe que ISP quer dizer Industrial de Salsichas e Presuntos!

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte