Colaborações no Diário Digital


O Grande Kalynadas

Numa altura em que tanto se fala em abolir exames de Português, talvez seja interessante referir um caso que acompanhei de perto - trata-se da curiosa história do Kalynadas, um cavalheiro assim baptizado no seguimento das peripécias que seguidamente se narram.

--oOo--

Em tempos, conheci de perto um patusco extremamente vaidoso e malcriado que, como todos os dessa laia, não aceitava críticas fosse a propósito do que fosse; e as pessoas que o rodeavam, tendo em conta o seu mau feitio, evitavam dizer-lhe alguma coisa - ou até mesmo falar com ele.

Ora, como toda a gente sabe, indivíduos desses caem facilmente no ridículo, e ele não era excepção:

Tendo «conflitos mal resolvidos com a língua-pátria», os seus erros de ortografia (com que generosamente polvilhava cartas, faxes, e-mails e actas de reuniões) faziam o desespero dos seus chefes - mas também as delícias dos colegas e subordinados que tinham a suprema ventura de lhes pôr a vista em cima.

Até que, um dia, alguém que tinha mais confiança com ele lhe chamou a atenção para uma barbaridade do género «atenção» escrito com dois «S».

O cavalheiro, furioso com o reparo, recusou-se a corrigir o erro, fazendo ali mesmo questão de mostrar como o fax (pois era o que estava em causa) seguiria mesmo assim! E, perante o gozo de alguns e o pasmo da maioria dos circunstantes, declarou, enquanto carregava na tecla «enviar»:

- As regras do meu Português sou eu quem as faz!

Como se compreende, essa história entrou de imediato para o fabulário da empresa.

Mas ainda teve um delicioso post-scriptum:

Algum tempo depois, e a propósito desse mesmo assunto, o indivíduo, pretendendo que ficasse claro que não cometia erros de ortografia, proclamou:

- Eu nunca cometo erros de caligrafia!

Coitado... Lá devia pensar que caligrafia vinha de calinada...


Publicado no "Diário Digital" em 15 Dezembro 2005

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte