Colaborações no Diário Digital


Importam-se que eu vote?

Já não é a primeira vez que tal sucede:

Depois de eu ter dado o meu contributo para uma determinada votação, aparecem uns cavalheiros a vangloriar-se de que, com o meu voto, tinham ganho uma outra eleição completamente diferente daquela em que eu havia participado!

Eu explico melhor:

Faz agora quatro anos que votei para as autárquicas.

Ora, quando eu julgava que tinha ajudado a escolher as pessoas mais indicadas para tratarem de coisas como o trânsito caótico ou os excrementos de cão na cidade onde resido, eis que Guterres me informa que não foi nada disso! Sem o meu conhecimento (e menos ainda com o meu acordo), alguém decidiu que eu, afinal, tinha votado para correr com o governo dele... e o homem sumiu!

Felizmente, tempos depois, para as eleições europeias, os principais partidos tiveram a gentileza de, atempadamente, nos esclarecer que, afinal, não iríamos votar para elas:

O PS proclamou que a votação seria um «cartão amarelo» ao governo; o PCP também, só mudando a cor para vermelho; e, por fim, o próprio Durão Barroso (concordando com essa leitura quando devia ser o primeiro a contestá-la!), disse que «tinha entendido o sinal do povo», pelo que, logo que pôde, fez as malas e... «Baza, que é bué da tarde!».

E é por tudo isso que, para as eleições autárquicas de Outubro, já estou pelos cabelos só de ouvir a mesma conversa: a rapaziada dos partidos propõe-se pegar no meu (eventual...) voto, desviá-lo, e brandi-lo como se ele fosse dado para apoiar ou rejeitar o governo de Sócrates - um pouco como se eu doasse dinheiro para as vítimas do Katrina e ele fosse direitinho para as campanhas do senhor Major ou de Avelino Ferreira Torres!

Perante tal embuste (que se repete eleição-após-eleição, e em que todos os partidos colaboram entusiástica e alegremente), eu só gostava que o José Mário Branco se candidatasse. É que toda essa gente que por aí anda me dá uma grande vontade de votar em BRANCO...


NOTA: Já depois de alinhavada esta crónica pude assistir, com um misto de espanto e náusea, ao frente-a-frente Carmona-Carrilho. A certa altura, eu já nem me preocupava muito em ouvir o que eles diziam! - só pensava na minha triste sina de munícipe e de contribuinte que, ainda por cima, VAI TER DE PAGAR os ordenados àquele par de patuscos...


Publicado no "Diário Digital" em 19 Setembro 2005

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte