Colaborações no Diário Digital


Ficção e realidade

I

No fabuloso livro «O Buscão», de Francisco Quevedo (1580-1645), o pai da personagem principal vai ser enforcado sendo o verdugo, por sinal, o tio.

Ao subir ao patíbulo, o condenado repara que há um degrau em mau estado e, indignado, chama a atenção do carrasco para esse facto:

- Ainda alguém se vai aleijar aqui!

II

Há anos, um candidato a suicida (que pretendia atirar-se do viaduto Duarte Pacheco) foi salvo, in-extremis por um senhor que costumava andar por ali «e já os conhecia».

Depois de, com grande esforço, puxar para cima o desesperado, o benemérito recebeu do outro o seguinte agradecimento:

- Apre, que me magoou!

III

Um estudo acerca de saúde pública refere que cerca de metade dos actuais fumadores vão morrer por doenças relacionadas com o seu vício.

Há um grande movimento contra o facto de algumas marcas de cigarros usarem tabaco tratado com pesticidas perigosos para a saúde.

IV

A propósito de Quevedo:

No seu leito de morte, houve alguém que lhe foi pedir que deixasse dinheiro para pagar aos músicos que iriam tocar no seu enterro.

A sua resposta foi «A música, pague-a quem a ouvir!» - o princípio do utilizador-pagador, portanto...


Publicado no "Diário Digital" em 24 Novembro 2004

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte