Carta(s) Branca(s)


A pont' a pé

É ao meteorologista Edward Lorenz que devemos o enunciado do «efeito-borboleta», segundo o qual o bater-de-asas de um desses insectos pode desencadear uma tempestade num local muito distante; e foi isso que alguém, com um sorriso nos lábios, referiu como explicação para a queda da ponte pedonal na IC19.

O meu amigo Roberto diz, com o seu cinismo do costume, que nisto anda mãozinha do Governo, que sempre quis acabar com as «pontes». Mas, falando a sério: entre muitas afirmações acerca do assunto, todas proferidas por gente responsável, ficámos a saber:

Que há uma espécie de tradição que leva inúmeras camionetas a embaterem nas referidas estruturas (facto aceite com naturalidade).

Que o sistema de fabrico delas não é famoso: «nem serviriam para levar para casa» (e em «kit»?).

Que há muitas outras iguais à que caiu (em estado semelhante?).

Que o IEP não tem meios para as fiscalizar (nem essas nem as outras).

Que Portugal desenvolveu um sistema avançado de monitorização (vendido para o estrangeiro mas desprezado por cá).

Que foi mandado fazer um rigoroso inquérito (do tipo doa-a-quem-doer).

Que não se pode pedir a cabeça de ministros «por isto e por aquilo» (como, p. ex., metade do país ter ardido, caírem pontes em cima da cabeça da gente e outras ninharias).

Tão bizarras afirmações (juntamente com o facto de a borboleta ser posta ao nível da famosa cegonha que pôs metade do país às escuras), só fazem lembrar a de uma conhecida «madame» da nossa Sociedade: «A ave de que eu mais gosto é a borboleta!»


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 20 Setembro 2003

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte