Carta(s) Branca(s)


Que se «lixe» o lixo!

Um dia destes, estava eu a passear com o meu amigo Roberto na terra dele, quando aconteceu uma coisa que nunca mais esquecerei:

Primeiro, e inesperadamente, parou. Em seguida, tirou dos bolsos do sobretudo uma garrafa de cerveja e uma lata de refrigerante (ambas vazias) e uma folha de jornal. Depois de, com esta, fazer uma bola, colocou as três coisas alinhadas na beirinha do passeio.

Por fim, chamou-me a atenção para uns contentores do outro lado da rua (destinados à colocação do lixo devidamente separado em vidros, embalagens e papéis) e, certificando-se de que não havia carros a passar, atirou cada objecto para dentro do recipiente apropriado com três pontapés de uma perícia espantosa!

Foi nessa altura que me lembrei de que estávamos num dos 22 concelhos em que o lixo, depois de carinhosamente triado pelos munícipes, é todo misturado nos aterros! Ainda fiz um trocadilho com a expressão «bons conselhos», mas ele não me deu atenção e o seu único comentário foi relativo à habilidade que acabara de fazer:

- Aqui no bairro temos um clube dedicado a este desporto. Fui eu que o fundei e fiz o hino. Vê lá o que achas dos versos.

Não os fixei, pois ainda estava de boca aberta quando mos recitou. Mas lembro-me perfeitamente que «anedotas» rimava com «idiotas» e «incompetentes» com «gozar c' agentes»...


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 11 Jan. 2003

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte