Carta(s) Branca(s)


A dança dos copos

Ultimamente temos podido assistir ao haraquiri, em ritmo acelerado, de alguns partidos políticos.

Quanto ao do Governo-PS, o processo foi mais lento mas, mesmo moribundo, parece manter os vícios e tiques que o empurraram para o beco de saída difícil em que agora se encontra.

Vem isto a propósito do facto de o Governo, na semana passada, ter recuado na proibição de venda de bebidas com teor de álcool mais elevado aos menores de 18 anos - e de qualquer bebida alcoólica aos menores de 16.

Ficámos a saber que, de forma semelhante ao que aconteceu com o avança-recua na lei da alcoolemia, o Governo cedeu aos lóbies dos copos.

Pensemos que no Natal passado, coincidindo com a reposição da taxa de alcoolemia nos 0,5% (enquanto a polícia continuava a multar a partir dos 0,2 por não ter ainda saído "a publicação do recuo" no Diário da República!) houve mais acidentes, feridos e mortos na estrada do que anteriormente.

Pode ter sido apenas o agudizar das tendências suicidas e homicidas de alguns condutores portugueses. Mas, de qualquer forma, convém estarmos atentos, não vá aparecer por aí algum lóbi de bate-chapas ou de agências funerárias.


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Aberta", em 2 Fev. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte