Carta(s) Branca(s)


Aqui há gato...

No tempo de Vale e Azevedo as Finanças garantiam que a situação fiscal do Benfica estava regularizada, mas depois veio Vilarinho com a peregrina ideia de dizer que isso não era verdade - e o resultado foi uma telenovela que só não é totalmente desenxabida porque tem algum tempero político-partidário. Ora, sendo o actual presidente um «homem vivido», devia saber que em Portugal, e em matéria de fisco, a verdade não compensa - além de que obrigou alguém a espreguiçar-se e a encomendar um daqueles inquéritos rigorosos-até-às-ultimas-consequências-e-doa-a-quem-doer.

E já nem me lembraria de tal, se não se desse o caso de ouvir, um dia destes, o major Valentim Loureiro (com aquele ar irritado que lhe fica tão bem) a afirmar que as Finanças haviam garantido que, este ano, nenhum clube devia nada ao fisco.

Hum... Não será como o mistério do lince ibérico? Em relação a este (segundo o "Expresso" do passado dia 1), um recenseamento assegurou que já não havia nenhum, mas um especialista garantiu que, se se procurasse bem, ainda se encontrava meia-dúzia. E lá vinha uma fotografia do felino, bem perto da notícia que referia a intervenção do senhor major.

Alguém se ofende se eu confessar que, nessa altura, me veio ao espírito o aforismo do «gato escondido...»?


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 23 Nov. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte