Carta(s) Branca(s)


Quá-quá... quase!

Muitos portugueses irritam-se quando vêem que os projectos políticos, sejam eles quais forem, passam (ou não) conforme os partidos que os propõem; e que nenhum governo está à vontade para avançar com qualquer coisa que ultrapasse a sua legislatura.

Vem isto a propósito dos apelos que surgem de vez em quando para que haja pactos-de-regime que façam com que os partidos enxerguem para além das suas paredes e olhem mais para o interesse nacional do que para os seus retorcidos umbigos.

Mas veja-se como estamos no bom caminho:

O governo autorizou o pagamento, até ao fim do ano, de 9000 milhões de euros de contribuições e impostos em falta (o preço de 10 pontes Vasco da Gama!), sem juros nem penalizações.

A ideia, que não é nova (é até a 12ª vez que a oiço), é fácil, é barata, e pode ser que dê milhões. Mas duvido, pois ninguém diz aos faltosos que vão presos se não pagarem, e o que eles ouvem são essencialmente falinhas doces: «Vá lá, sejam bonzinhos...».

Além do mais, toda a gente sabe que os impostos, em Portugal, não são obrigatórios, mas apenas uma mera sugestão que o Estado dá, confiando na boa-vontade dos contribuintes.

De qualquer forma, e tendo em conta os que normalmente os pagam: pode não haver tão cedo «pactos-de-regime», mas já existe uma óptima aproximação: os «patos-do-regime».


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 16 Nov. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte