Carta(s) Branca(s)


Com... tradição

Quando eu era jovem não havia desporto que me escapasse e, desde o berlinde até à luta greco-romana, todos pratiquei com grande entusiasmo.

Ora, se bem que hoje eu me limite a ver futebol pela TV, o mesmo já não posso dizer do Roberto, velho amigo e companheiro dessas actividades, que continua imparável - especialmente em tudo o que meta atletismo. Embora possamos estar meses sem nos cruzarmos, há um dia por ano que não falha, pois na corrida do 1º de Maio ele passa sempre à minha porta e diz-me adeus, com um riso trocista, ao ver-me na varanda em roupão e pijama.

Este ano, no dia 30 de Abril, fui dar com ele a comprar umas sapatilhas para a prova do dia seguinte. Disse-me que tinha um emprego novo mas, quando lhe perguntei se estava satisfeito, deu-me uma resposta intrigante:

- Olha, ando um bocado confuso, pois o meu patrão tão depressa diz uma coisa como o oposto. Por exemplo: como agora temos um governo mais à direita, decidiu pela primeira vez abrir a loja no 1º de Maio. Eu, aborrecido mas com muito bons modos, disse-lhe que não queria faltar à corrida. E afinal, pela resposta que me deu, até parece um tipo fixe. Disse-me até que, se eu insistisse, aproveitava para correr comigo!


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 18 Mai. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte