Carta(s) Branca(s)


O difícil défice

Há uma regra-de-ouro que qualquer gestor de "meia-tijela" conhece de ginjeira: perante um problema que não saiba (ou não queira) resolver, nomeia uma Comissão de Estudo.

A mesma pode ser Científica ou não, e pode ser muito ou pouco Independente; mas o importante é que tenha um suculento assunto para meditar e disponha de um prazo bem dilatado para o fazer.

Vem isto a propósito do mistério do valor do défice português, que ninguém sabe quanto é:

Muito acima dos 3% (segundo a propaganda eleitoral do PSD)? Muito abaixo disso (segundo o PS)? Ou o valor que vier a ser indicado pela Comissão nomeada para a investigação?

Entretanto, parece que alguém, lá de Bruxelas, já decidiu: é 2,60% e não se fala mais nisso. Como quem diz: «Tomem lá, deixem-se de conversas e tratem mas é de governar».

Eu até tinha pensado que, como o drama andava todo à volta do "problema dos 3%" (por causa do eventual corte de verbas comunitárias se esse valor fosse excedido), se devia meter na Comissão um senhor que está sempre a dar palpites sobre política e é dono de uma cadeia de hipermercados.

Ele talvez não perdesse muito tempo a pensar e propusesse um valor de 2,99...


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 27 Abr. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte