Carta(s) Branca(s)


Trabalha... dores

Estava eu muito sossegado a ver o Guimarães-Benfica no café, quando, no relvado e nas bancadas, começou a barafunda que se sabe.

Ora quis o acaso que uma velhinha - que, alheia àquilo tudo, estava na mesa ao meu lado a fazer renda - se apercebesse, pelo rebuliço à nossa volta, de que se passava qualquer coisa de anormal. Pousou o trabalho, apurou o ouvido, e, virando-se para mim, pediu-me que lhe contasse o que estava a acontecer... no «quarto do árbitro»!

Quando percebi que se tratava do «quarto árbitro» fiz o possível por a esclarecer. Mas, quando me perguntou porque estavam os adeptos a arrancar cadeiras do seu próprio estádio... fiquei atrapalhado!

Felizmente, um brincalhão que estava por perto saiu-se com esta:

- É de propósito, minha senhora. Têm de partir aquilo tudo para se fazer o novo estádio para o Euro 2004.

- Pobrezinhos... - suspirou a boa velhinha, retomando a sua renda - E nem descansam ao fim-de-semana!

Porém, quando o Corpo de Intervenção começou a justificar o ordenado, a senhora pousou de novo o trabalho e comentou, desta vez entre estupefacta e indignada:

- E diziam que já tinha passado o tempo em que a polícia batia nos trabalhadores!


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 6 Abr. 2002

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte