Carta(s) Branca(s)


Piolhoso... mas sábio!

PELO QUE SOUBEMOS nos últimos dias, muita gente que tem contactos com a Comunicação Social (ou nela trabalha) ignora três mandamentos tão velhos quanto sensatos:

1 - Nem tudo o que se pensa se deve dizer.

2 - Nem tudo o que se diz se deve escrever.

3 - Nem tudo o que se escreve se deve publicar.

Enquanto os fazedores-de-mandamentos não os actualizam (na sequência da invenção dos gravadores de som), o caso das cassetes do «Correio da Manhã» lá vai sendo analisado por muita gente e visto por muitos ângulos; a propósito disso tudo, aqui fica uma velha história:

ERA UMA VEZ um pastor que carregava consigo um segredo que muito o angustiava. Um dia, quando já não aguentava mais, encontrou um velho eremita, catando-se à entrada da gruta onde morava.

- Preciso de te contar um grande segredo! - disse o jovem.

- Se isso te alivia, meu filho... - respondeu o ancião, sem interromper a sua higiénica tarefa.

- Mas tens de me garantir que não o divulgas!

- Isso não posso. Se tu, que és o seu melhor guardião, não és capaz de o proteger, como queres que um estranho o faça? - foi o sábio comentário do velho.

Numa versão mais simples, a história acaba aqui; noutra, o anacoreta sugere ao rapaz que vá para o meio do deserto, faça uma cova no chão, despeje lá para dentro tudo o que o atormenta e, por fim, a tape bem.

Pelos vistos, em Portugal, houve pessoas que resolveram dar vida a esta história - e na sua versão mais longa. Só que a cova, além de muito grande, foi feita num terreno de areias movediças e traiçoeiras - e agora queixam-se, ao darem consigo «metidas num grande buraco»!


Publicado no "EXPRESSO" - "Carta Branca", em 21 Agosto 2004

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte