Cartas para a Imprensa


Estranho mundo, o nosso!

EXIGE-SE, em altos brados, «Prendam-se os corruptos!» - ao mesmo tempo que se faz tudo para que os da nossa terra, os do nosso partido ou os do nosso clube sejam poupados, quando não mesmo incensados!

Será caso para perguntar: «Que país queremos que Portugal seja?!».

O certo é que, à mistura com condenados, suspeitos, arguidos e foragidos à Justiça, aí temos a florescente classe dos «políticos brancos» - assim chamados por analogia com os «produtos brancos», artigos de «Grande Superfície... mas de Pequena Espessura».

São indivíduos que, se for preciso (e em geral é...), dizem uma coisa hoje e o seu contrário amanhã (havendo até os que conseguem fazê-lo no mesmo minuto); que defendem na Oposição o oposto do que defendiam no Governo (e «vice-versa», ou «versa-vice»...) desde que isso lhes dê dividendos.

Embora às vezes se esforcem por parecer que não, dão-se muito bem uns com os outros e, evidentemente, sabem inundar-nos com discursos, sloganes e cartazes pejados de banalidades e lugares-comuns que dão para tudo, para o seu inverso e, se preciso for, ainda para mais qualquer coisinha.

O certo, é que acaba por ser tristemente lógico que a generalidade da Comunicação Social se refira a Álvaro Cunhal e a Vasco Gonçalves dando relevo ao facto de terem sido «homens de convicções».

Que estranho mundo o nosso, em que é excepção digna de nota o que devia ser normal e dispensar registo!


Publicado n' "A Capital" de 17 Junho 2005

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte