Cartas para a Imprensa


Os parquímetros e o défice

Chamam-lhe «o Zé do Boné» - por andar sempre com um, já se vê.

Tem uns vinte anitos, usa um brinco na orelha esquerda, e é encontrável com frequência nas Avenidas Novas, que percorre sempre muito depressa como se estivesse em risco de perder o comboio.

E trabalha que se farta!

A sua única ocupação é limpar o dinheiro dos parquímetros (o que faz num ápice e à luz do dia, perante a cobardia dos cidadãos e a impotência das autoridades, que reduz ao mais espantoso ridículo), tarefa para a qual usa como ferramenta apenas um pauzinho do tamanho de um palito.

Hoje fui dar com ele, abatido, a falar com um colega de profissão.

Encostados a um parquímetro liam, sem esconder o seu aborrecimento, a notícia do jornal «metro»:

«COFRES DOS EQUIPAMENTOS VÃO PASSAR A SER ESVAZIADOS MAIS VEZES POR DIA».

«Bolas!» - comentava o Zé - «Deve ser por causa do défice que agora ainda querem que aumentemos o ritmo de trabalho!»


Publicado no jornal "metro", com grande destaque, em 6 Junho 2005

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte