Cartas para a Imprensa


Escolhas que fazem escola

Embora esteja distante dele em termos ideológicos, eu sou um dos muitos portugueses que não perdem os programas do Professor Marcelo - e até acho que o seu partidarismo tem o-seu-quê de aliciante.

No entanto, no domingo passado, sucedeu uma coisa estranha:

A «entrevistadora» (que, de vez em quando, tenta sê-lo sem comas) perguntou-lhe o que achava das dívidas do Grupo Grã-Pará ao Fisco e à Segurança Social (que já ascendem a 10 milhões de euros - assunto a que o «Expresso», na véspera, dera grande destaque).

O Professor disse qualquer coisa como «Já lá vamos...» e falou de outro tema.

Mas a senhora - e muito bem - não deixou cair o assunto e, pouco depois, voltou a colocar a questão.

E foi então que ficámos a saber que, aparentemente (e apesar de ler cuidadosamente o referido semanário, e até o citar com frequência), o Professor não sabia muito bem do que é que ela estava a falar - e afastou-se novamente do assunto em grande estilo.

Aliás, já todos sabemos:

Quando o tema é o défice, os sábios sabem falar de aumentos de impostos e da redução da despesas pública; mas fogem, «como o Diabo da Cruz», quando o assunto é a fuga ao Fisco ou à Segurança Social.

Enfim... são «escolhas»...


Publicado n' "A Capital" em 23 Maio 2005

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte