Cartas para a Imprensa


Edison e a máquina de contar votos

Acerca do drama que os Estados Unidos da América viveram (ou vivem...) relativamente à contagem dos votos para a presidência, gostava de referir uma curiosidade:

Thomas Edison gabava-se de não perder tempo com invenções cuja venda não estivesse antecipadamente garantida. E referia a única excepção que teve: precisamente com uma máquina de contar votos, que nunca conseguiu vender a quem quer que fosse.

Que diria o grande inventor se soubesse que, mais de um século depois, o problema se manteria nas eleições no seu país?!


Publicado no EXPRESSO - "Correio Azul" no dia 16 Dez. 2000 (a seguir às eleições americanas)

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte