Cartas para a Imprensa


A Dança da Chuva

Nos últimos dias, a Comunicação Social tem dado grande relevo - e muito bem - aos dramas motivados pelas inundações, mas o certo é que pouco tem dito sobre as suas causas.

Mostram-se casas inundadas e destruídas, dá-se voz a gente desesperada, mas quase não se fala das sargetas que não foram limpas, dos esgotos entupidos ou mal dimensionados, da construção selvagem e galopante, das ribeiras atulhadas com pneus, colchões e frigoríficos, das casas erigidas em leitos de cheia ou em arribas instáveis... - e muito menos dos que, por acção ou omissão, são os verdadeiros responsáveis por esse criminoso estado de coisas.

Claro que, cedo ou tarde, a Natureza impõe a sua lei - mas a que preço!, e pago por quem? Há quem diga que «O ser humano é tão estúpido que só aprende com as catástrofes». Mas isso, apesar de tudo, ainda é uma visão optimista da realidade pois, como se sabe - e bem se vê... -, «há sociedades em que os homens são tão estúpidos que nem com as catástrofes aprendem».


Publicado no "Público/Local-Lisboa" em 7 Novembro 2006 e no "Destak" no dia 9

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte