Cartas para a Imprensa


O que busca Bush?

1

A Cimeira da Terra, em Joanesburgo, juntou mais de 40.000 pessoas. Ora, como elas não foram a pé, ajudaram a aumentar o efeito-de-estufa que iam combater e estima-se que tenham gerado qualquer coisa como 500.000 toneladas de CO2.
Por isso é que é injusto apontar o dedo acusador a George Bush por não ter lá ido. A sua ausência (e pense-se na excursão que o costuma enquadrar) contribuiu muito para melhorar o ambiente. No entanto, tudo indica que ele anda a preparar outras formas de «aquecimento do Planeta»:
Não sei quem é que anda a pagar o trabalho dos inspectores da ONU no Iraque, mas alguma coisa me diz que somos todos nós - o que não seria grave se fosse a bem da paz no Mundo. Mas o pior é que parece que não vai ser exactamente assim, pois quer Bush quer Tony Blair parecem cheios de vontade de começar a partir aquilo tudo.
A justificação é simples e tem uma lógica que parece saída da cabecinha do Goofy (o Pateta) de Walt Disney:
«Se diz que tem armas, deve ser bombardeado por isso. Se diz que não tem, é porque as está a esconder...». O resto do raciocínio é sabido.
É a fábula do lobo e do cordeiro. No entanto, se pensarmos que Bush-filho apenas quer acabar o que Bush-pai começou, é caso para dizer que a fábula está ao contrário... Saddam é que poderá dizer: «Se não foste tu foi o teu pai!»

2

Neste género de comentários é preciso ter muito cuidado, pois há uma geringonça chamada Échelon que detecta tudo quanto é «mails», faxes, telefonemas, etc. Depois, com a inteligência que algum Professor Pardal lhe meteu, procura «palavras-chave» e age em conformidade.
Assim, esta carta vai ser entregue por mão própria, pois já apanhei um grande susto:
Um dia destes, só depois de enviar um «e-mail», é que me apercebi do que tinha feito: havia escrito que «fazia falta uma BOMBA de gasolina na avenida dos ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA»...
Agora veja-se com que cara fiquei quando, à porta de minha casa, vi parar um carro, com a palavra CIA pintada na porta de trás! Só quando me aproximei é que vi na porta da frente a explicação do mistério: POLI
O susto foi tanto maior quanto eu tinha acabado de saber que a CIA estava autorizada a matar, em qualquer parte do mundo, umas 25 pessoas. Sem julgamento, claro, que isso é coisa para países atrasados como Portugal.
Aliás, poucos dias antes, um «drone» (avião não tripulado) carbonizara, com um míssil, um automóvel onde ia um suspeito de terrorismo.
Os outros passageiros também foram volatilizados, evidentemente. Por isso, nunca mais defendo a teoria de que as pessoas deviam partilhar os automóveis como forma e reduzir os engarrafamentos!

3

Por estranho que pareça, o presidente George Bush deu-se muito bem com Lula da Silva, o novo presidente do Brasil. Motivo apontado: nenhum deles é intelectual. Pensei que Lula fosse.
Mas, mesmo com poucos conhecimentos científicos, Bush já deve ter ouvido falar da deriva dos continentes e saber que a América se está a afastar lentamente da África e da Euro-Ásia. Isso explicaria a pressa que ele parece ter em dar cabo do Iraque: trata-se de agir antes que a distância fique incompatível com o raio de acção dos seus mísseis e bombardeiros.
De qualquer forma, se o motivo para rebentar com Saddam é o facto de por lá haver uma ditadura, não precisa de ir tão longe. Tem Cuba a um tiro de fisga.
Se o motivo é o desrespeito pelas resoluções da ONU, então Israel que se cuide! Se o problema são os direitos humanos, «Alô, Arábia Saudita!».
Mas se o problema são as armas de destruição em massa (e, se o Iraque as tem, pense-se na guerra Irão-Iraque e imagine-se quem lhas forneceu...), também não precisa de atravessar muitos meridianos: no nosso país o tabaco e os automóveis matam mais gente por dia do que a Guerra do Golfo num mês. Cuidado, pois, portugueses, que o homem tem a mão no gatilho e anda nervoso!


Enviado para o "Expresso" mas não publicado.
Carlos Medina Ribeiro, Jan / Fev 2003

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte