Cartas para a Imprensa


O engenheiro e o electricista

Há uma vintena de anos, sensível aos apelos patrióticos no sentido da poupança, subscrevi um PPR.

E tudo correu bem até ao dia em que Bagão Félix decidiu abolir os correspondentes benefícios fiscais.

Passei, a partir daí, a canalizar as minhas economias para Certificados de Aforro.

E, mais uma vez, tudo correu bem até ao dia em que Teixeira dos Santos entendeu reduzir a respectiva taxa de juro.

Tanto um como o outro só me fazem lembrar o que se passou com um electricista que eu em tempos conheci e que foi trabalhar com um engenheiro muito novo.

Este, inseguro, ora o mandava ligar um fio, ora o mandava desligar - até que o operário, pessoa já de certa idade, se sentou num caixote, a um canto, e, enquanto enrolava um cigarro de mortalha, desabafou:

- Ó chefe, sente-se lá aqui ao pé de mim, pense no problema com calma, e depois então diga o que quer - mas de uma vez por todas, que já me doem as costas!


Publicado na "Pública" em 13 Agosto 2006, no "Público" de 21 Agosto 2006 e no "Destak" de 13 Setembro 2006

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte