Cartas para a Imprensa


O mês de Albertus

Garante o «DN», na sua edição de 27 de Julho p.p., que 40% dos juízes já se encontram de férias - uma realidade que choca com pretensão governamental de os obrigar a gozá-las exclusivamente em Agosto.

Ora, já há muito tempo que se dizia que essa directiva não ia ser cumprida, pelo simples facto de esse mês não ter dias-úteis em número suficiente; mas, mesmo assim, o Governo bem podia ter contornado a questão, nem que, para tal, tivesse de recorrer à maioria absoluta - que, como se sabe, dá para quase tudo:

Sucede que, entre Janeiro e Dezembro, os meses são, alternadamente, grandes e pequenos, com uma notável excepção: a Julho segue-se Agosto, e ambos têm 31 dias. Ora esse facto bizarro, segundo se diz, foi uma imposição do imperador Augusto que mandou alargar o mês de Agosto à custa de Fevereiro, porque não queria que «o seu mês» fosse menor do que aquele a que Júlio César dera o nome.

Mesmo que tal não seja verdade, a ideia é «cinco estrelas», pelo que não se percebe porque é que Alberto Costa, sempre tão voluntarioso, ainda não fez o mesmo, decretando, para Portugal, um «Agosto ao seu gosto», com o número de dias necessários para que a sua vontade seja feita.


Publicado no no jornal "metro" e no "DN" em 28 Julho 2006

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte