Cartas para a Imprensa


O aval da avaliação

Há dias, ouvi Paulo Sucena, dirigente da FENPROF, defender na TV que «só professores é que estão habilitados a avaliar outros professores».

Embora salvaguardando as naturais diferenças existentes entre «avaliar» (para efeitos de vencimentos e de carreira) e «dar opinião», não será mau matutar no seguinte:

Será que, por analogia com esse princípio, um gestor da CP, dos CTT ou de uma empresa de bate-chapas, ao consultar o «livro de reclamações e sugestões» deve ignorar todas as opiniões de clientes que não sejam profissionais do ramo?

E, já agora: será que ele, Paulo Sucena, não tem opinião sobre - por exemplo - o seu dentista? Imagino que sim e, já agora, espero que não me leve a mal a «boca»...


Publicado no jornal "metro" em 9 Junho 2006

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte