Cartas para a Imprensa


Um desastre e três perguntas

Imagine-se que um português alcoolizado se faz à estrada e começa a fazer uma condução extremamente perigosa pondo em risco a sua vida, a dos que o acompanham e a dos que têm o azar de passar perto dele.

Qual é a reacção tipicamente portuguesa: avisar a polícia da presença do bêbado ou avisar o bêbado da presença da polícia?

Se ele rachar a cabeça ao estampar o carro contra um muro, de quem é que o português-típico tem mais pena: dele, ou do dono do muro?

Se «acidente» é, por definição, algo que não se pode prever, porque é que, em Portugal, se continua a usar essa desculpabilizante expressão para referir o que, na realidade, são desastres, suicídios ou meros crimes?


Publicado no jornal "metro" de 30 Maio 2006

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal
Página Seguinte