Café entre duas Revoluções

A ascensão do Vietname e o conceito Starbucks

Esta "commodity" está a sofrer o impacto de duas revoluções na última década: a vaga do conceito Starbucks no consumo desta bebida e a ofensiva "Vietcongue" na produção e exportação que ameaça destronar o Brasil a médio prazo. Os futuros (financeiros) prometem aquecer o mercado do café e trazer, até final de 2005, os preços de volta aos níveis de 1999.

Jorge Nascimento Rodrigues, com a análise técnica de André Ribeiro, analista financeiro em Barcelona, Maio de 2004

Sítio de referência ICO- Organização Internacional do café
Mercado de Nova Iorque | Resumo histórico
Quadros de referência geo-económica e de preços

O mercado do café animou-se com os preços de referência da Organização Internacional do Café (ICO.org) a atingirem em Abril uma média mensal de 58,80 cêntimos por saca (ver em www.ico.org/frameset/priset.htm) e com os futuros financeiros desta "commodity" a subir até perto dos 90 cêntimos até final do ano. Os analistas estimam que os futuros atingirão os preços de 1999 no final de 2005, abrindo-se um novo período de euforia - o que os especialistas designam por "bullish" - para os "traders" deste mercado centrado na City de Nova Iorque no Coffe, Sugar & Cocoa Exchange (conhecido pela sigla CSCE).

O café parece estar a encerrar um ciclo de preços abaixo dos 50 cêntimos que gerou uma vaga de falências em muita economia familiar na América Latina e na Ásia que suporta esta cultura agrícola e quebras de produção em 2003 e no primeiro trimestre de 2004 particularmente notórias no Brasil, o principal exportador mundial.

O café parece estar a encerrar um ciclo de preços abaixo dos 50 cêntimos que gerou uma vaga de falências em muita economia familiar na América Latina e na Ásia que suporta esta cultura agrícola e quebras de produção em 2003 e no primeiro trimestre de 2004 particularmente notórias no Brasil, o principal exportador mundial. O ciclo descendente dos preços do café iniciou-se em 1998 e teve o seu período mais crítico em 2001 e 2002. Entre 1998 e 2003 os preços da saca de grãos castanhos quebrou 58%.

Quebra na safra, com Brasil a liderar

As "boas" notícias para os "traders" vieram do sintoma das quebras de produção e exportação, que voltaram a trazer a escassez do lado da oferta ao mercado do café - ou seja, abre-se a oportunidade para o aumento do preço da mercadoria. A quebra global das exportações entre Março de 2003 e Fevereiro de 2004 foi de 5%, e no caso do Brasil atingiu os 17%. Espera-se que na safra de 2004/2005, esta tendência de quebra continue. O mercado global está, assim, de novo desequilibrado mas em sentido inverso ao do final dos anos 90 - segundo a ICO, o défice de abastecimento será nítido em 2003/2004, com uma safra rondando os 101,3 milhões de sacas de café e um consumo mundial na ordem dos 111,5 milhões. Em certo sentido, regressou-se ao clima do início dos anos 90 em que os preços estavam muito generosamente acima de um dólar por saca e as quebras de produção do Brasil fizeram a sua quota mundial cair para 25%.

A Revolução global Starbucks

O aumento do consumo mundial parece ser uma tendência sólida nos países da OCDE. Depois de um período de quebra de importações por parte dos Estados Unidos entre 1984 e 1994, a cultura do café voltou a disparar naquele país representando 27% das importações mundiais. À excepção de França, Reino Unido e Suécia, os principais países da União Europeia aumentaram as suas quotas de importação nos últimos vinte anos em termos absolutos e relativos.

No caso dos EUA, a retoma do café é atribuída ao papel da revolução provocada pelo conceito Starbucks, nascido em Seattle, que em 1996 atingiu os 1000 estabelecimentos em cidades norte-americanas e iniciou a internacionalização na Ásia Pacífico. A cadeia hoje em dia espalha-se por mais de 30 países, incluindo Espanha e França mais recentemente e importa a nível mundial o dobro de Portugal.

Starbucks latina
A cadeia norte-americana dirigida desde 1987 por Howard Schultz tornou-se um paradigma de um novo conceito social de beber café. E, depois de ter conquistado, posições em várias partes do mundo "atacou" o próprio mundo latino. O ponto de alavancagem foi Espanha, onde já conta 22 estabelecimentos, prevendo 40 até final do ano e a meta de uma centena em 2006. Para esta "latinização", a Starbucks aliou-se em 2001 ao grupo familiar espanhol Vips criando a "joint-venture" Tres Estrellas Unidas. E foi a partir da plataforma empresarial da Vips que entrou em França mais recentemente, onde abriu três espaços em Paris. No final do ano conta ter dez cafés na capital da luz. A Vips declarou, também, o seu interesse pela entrada em Portugal com o conceito Starbucks. O nosso país, apesar da pequena dimensão, viu a sua quota de importação duplicar no espaço de vinte anos: de 0,5% para 1% do total das importações entre 1984 a 2003. De 325 mil sacas importadas por ano passou para 850 mil no mesmo período. Trata-se de 62% de crescimento da importação, o dobro do aumento médio mundial. Nos 20 principais importadores mundiais, Portugal está em 17º lugar.

Este crescimento no consumo nos países OCDE deverá ser complementado, nesta década, com a emergência de novos mercados na Ásia, como a China e a Índia, segundo Marc Faber. Este analista suíço prevê uma possível subida dos preços do café entre 3 a 5 vezes os valores actuais nos próximos 2 a 3 anos.

A ofensiva "vietcongue"

Do lado da oferta, a geo-economia do café está a sofrer uma profunda alteração estratégica. O mercado exportador do café está a concentrar-se cada vez mais em dois produtores e exportadores, que detém 45% da oferta internacional. O palco é ocupado pelo Brasil, o líder histórico, e o Vietname, um novo protagonista que passou de 3,8% de quota na exportação mundial em 1994 para 14% em 2003, desalojando sucessivamente os outros três principais exportadores - a Guatemala, Indonésia e Colômbia (o antigo número dois).

A ofensiva "vietcongue" começou nos anos 90 com a decisão de apostar nesta especialização internacional, a partir de uma opção pela variedade mais barata e de qualidade inferior do arbusto do café, a variedade designada por robusta. Esta janela de oportunidade derivou da decisão das quatro multinacionais do café - Nestlé, Kraft, Procter & Gamble e Sara Lee.

Para se ter uma noção mais realista deste salto de gigante tenha-se em conta que, em 1984, aquele país exportava apenas 70 mil sacas de café, e que vinte anos depois coloca no mercado mundial mais de 11 milhões. Ainda que aquele país asiático esteja longe da quota brasileira (30% em 2003), a sua dinâmica de crescimento é assinalável e no mês de Fevereiro deste ano (2004) quase atingiu a paridade com o Brasil em termos de exportações de sacas.

A ofensiva "vietcongue" começou nos anos 90 com a decisão de apostar nesta especialização internacional, a partir de uma opção pela variedade mais barata e de qualidade inferior do arbusto do café, a variedade designada por robusta. Esta janela de oportunidade derivou da decisão das quatro multinacionais do café - Nestlé, Kraft, Procter & Gamble e Sara Lee - em apostarem mais numa maior percentagem da qualidade robusta nas misturas, apoiando-se em tecnologias que permitem introduzir novos sabores disfarçando a qualidade inferior da robusta em relação à arábica, a variedade de alta qualidade. Os ganhos com esse truque têm sido recordes.

RESUMO HISTÓRICO

1- ESCASSEZ: Meados dos anos 90: défice da oferta, preços elevados superiores a 1 dólar por libra de peso de café
a) Início de uma nova cultura do consumo de café nos EUA - a revolução Starbucks nascida em Seattle; 1996: Starbucks atinge os 1000 estabelecimentos e inicia a internacionalização na Ásia Pacífico (Japão, Singapura e Hawai)
< Depois de um período de quebra de importações por parte dos EUA entre 1984 e 1994, de novo disparo do consumo nos EUA até 2003
b) Quebras de exportação no Brasil - perca de quota mundial de 28% das exportações mundiais em 1984 para 25% em 1994

2- ABUNDÂNCIA: Final dos anos 90 e princípio da actual década: Crise do preço em virtude do disparo da oferta
a)O novo protagonista geo-económico na exportação: O Vietname; de 3,8% de quota de export em 1994 para 14% em 2003. O impacto na oferta desta revolução na especialização internacional do Vietname, possível pois já não funcionavam as quotas de exportação do antigo cartel do café dissolvido em julho de 1989
b) Retoma da exportação brasileira - de 25% de quota em 1994 para 30% em 2003
c) O resultado da inundação do mercado - quebra de 58% dos preços entre 1998 e 2001

3- VIRAGEM em 2003/2004: regresso à tendência de alta do preço do café. Procura ultrapassa de novo a oferta.
a) Regressam os défices no mercado em 2003, similares aos de meados dos anos 90; oferta da safra 2003/2004 em 101,3 milhões de sacas de café (16% menos do que na safra anterior); consumo mundial em 111,5 milhões de sacas ( mais 2% que no ano anterior)
b) Quebra de novo na exportação do Brasil e aproximação progressiva do Vietname ao primeiro lugar (quase paridade nas exportações em fevereiro de 2004); quebra global de 5% entre Março de 2003 e Fevereiro de 2004, e no caso do Brasil no mesmo período foi de 17%. Continuação esperada da safra no Brasil para 2004/2005
c) Grande Concentração do mercado exportador no Brasil e Vietname: cerca de 45% das exportações mundiais em 2003
d) Alargamento da Revolução Starbucks e do conceito de consumo de café com aumento do consumo em vários países na Europa e janela de oportunidade de disparo do consumo na Ásia
e) Futuros do café actualizados

Ver em: http://tradingcharts.naq.com/futures/quotes/1KC

QUADROS DE REFERÊNCIA

PREÇOS DO CAFÉ
1997: 133,9
1998: 108,95
1999: 85,72
2000: 64,25
2001: 45,60
2002: 47,74
2003: 51,91
1º trimestre de 2004: 59,78
Fonte: ICO.org- Organização
Internacional do Café
Preços aqui

TOP 5 da EXPORTAÇÃO
(% das exportações mundiais)
   2003   1994   1984 
 Brasil: 30% 25% 28%
 Vietname: 14% 4% 0,1%
 Colômbia: 12% 17% 15%
 Indonésia: 5,4% 6,5% 6,6%
 Guatemala: 4,4% 4,5% 3,2%

TOP 5 da IMPORTAÇÃO
(% das importações mundiais)
   2003   1994   1984 
 EUA: 27% 23% 32%
 Alemanha: 19% 19% 17%
 Japão: 8% 9% 7%
 Itália: 8% 8% 6%
 França: 7,9% 9% 9%

Página Anterior
Canal Temático
Topo da Página
Página Principal