Steve Iverson - o Rapaz do "stream"

Como nasceram os centros de media "online" pessoais mais potentes do mundo pelo colegial que comprimia ficheiros em Pomona (Los Angeles, Califórnia). Streamload - mais um exemplo da "Geração 21" de start-ups e empreendedores do mundo.

Steve em discurso directo: «Estamos precisamente no processo de criar o nosso maior serviço de sempre. Não podemos ainda deixar sair o gato do saco, mas posso dizer-lhe que o nosso objectivo é lançar um sistema completo de gestão de media online».

Jorge Nascimento Rodrigues, editor de Janelanaweb.com, com Steve Iverson, fundador da Streamload, Abril 2005

Ilustração de Steve por Paulo Buchinho, ilustrador oficial do sítio da Streamload na Web

Entrevista em inglês em Generation 21 em Gurusonline.tv

É um dos finalistas em Maio do Prémio "Codie" da Associação da Indústria do Software e da Informação norte-americana e foi finalista do Prémio Empreendedor do Ano nos Estados Unidos atribuído pela Ernst & Young. O californiano Steve Iverson iniciou em 1998 a sua aventura empreendedora, ainda fresquinho da sala de aula, saído do Pomona College, em Claremont, perto de Los Angeles.

Foi no quarto do colégio, no âmbito de um trabalho de curso, que Steve teimou em resolver um problema pessoal. "Queria uma melhor maneira de armazenar e enviar os meus ficheiros através da Internet", recorda-nos. O resultado foi o conceito de um "centro de media online". Trocado por miúdos, uma biblioteca centralizada remota, onde armazenar, partilhar e deixar "jorrar" ("stream", a palavra mágica que lhe ocorreu logo) a sua "tralha digital" predilecta, em geral ficheiros pesados: músicas, filmes, fotos, programas de TV preferidos, apresentações de trabalhos, etc. A tese tinha um título só para entendidos: algoritmos adaptáveis para compressão de dados.

O objectivo não lhe saiu mais da cabeça nem das mãos. "Era algo que eu sentia que tinha de fazer. Era a oportunidade de criarmos algo diferente que mudasse a forma das pessoas partilharem e acederem a dados que eram importantes para si sem os constrangimentos do e-mail", sublinha-nos Steve. A ideia era libertar o utilizador desse pesadelo. Avançou, então, para a criação de uma "start-up" em casa, recorrendo ao entusiasmo de alguns crânios do software que logo o apoiaram. Um deles, Michael Balloni, viria a ser o primeiro empregado da Streamload, e ainda hoje é o "arquitecto-chefe" da tecnologia da empresa.

Nove cartões de crédito

Mas não foi um caminho fácil. Steve teve de "'torrar' nove cartões de crédito" - nas suas próprias palavras - para financiar a sua teimosia durante dois anos. Apesar da exuberância da "bolha" da economia digital naquele final dos anos 1990, "os capitalistas de risco não estavam muito virados para os recém-licenciados", confessa Steve que calcorreou, naquela época, "cada uma das conferências do capital de risco na Califórnia vendendo a ideia". Até que mudou para a Incubadora Tecnológica de San Diego, e a história lhe começou a sorrir.

«A nossa tecnologia focaliza-se na mobilidade dinâmica, não no armazenamento estático, como faziam os nossos concorrentes, que se centravam em obter rendimentos com o armazenamento».

No princípio de 2000, ainda antes do "crash", a ideia captou a atenção de um "business angel", um veterano do software da Califórnia do Sul, Charlie Jackson, e a primeira versão do software viu a luz do dia. Jackson é hoje presidente da empresa e lidera um grupo de veteranos de mais de 50 anos concentrados no management da Streamload, que contrastam com os vinte e nove aninhos de Steve. A seguir veio algum capital semente por parte da EmTech, uma entidade de financiamento do empreendedorismo dirigida pelo Departamento de Desenvolvimento Económico da cidade de San Diego.

Para espanto de todos, a "start-up" começou a ser lucrativa desde 2001 e sobreviveu ao "crash". Steve acha que isso se deveu ao modelo de negócio "diferenciado" - o utilizador só paga uma assinatura mensal ou anual pelo acesso à sua conta através de um "browser" onde quer que esteja. É grátis até 100 megabytes por mês. "A nossa tecnologia focaliza-se na mobilidade dinâmica, não no armazenamento estático, como faziam os nossos concorrentes, que se centravam em obter rendimentos com o armazenamento", explica-nos.

Legião de fãs

Com esse pequeno truque criaram uma legião de fãs entre os viciados da música, fotógrafos digitais, designers gráficos, arquitectos, programadores, editores de vídeo, cinéfilos e estudantes. Hoje são mais de 22 mil assinantes em planos pagos (há oito modalidades dos 44,95 aos 50 mil dólares por ano), 40% dos quais já fora dos EUA, e nas contas existentes a Streamload alberga mais de 2500 milhões de ficheiros. "Conseguimos criar uma base de clientes leais que passam a palavra aos outros", frisa Steve.

O ano do salto de escalão foi 2004 - novos lançamentos (versões 3 e 4), a conclusão de uma primeira ronda de financiamento de capital de risco pela Windward Ventures e a mudança de instalações para o bairro do entretenimento em San Diego, o Gaslamp Quarter, hoje muito na moda.

Este ano, a Streamload lançou em Janeiro a versão 4.5 com 10 gigabytes de armazenamento gratuito e em Março o xStreamMail que permite enviar até 25 mil ficheiros num só e-mail até um limite de 50 terabytes! Prepara-se, agora, uma segunda ronda de financiamento institucional.

Steve Iverson continua entusiasmado: "Estamos precisamente no processo de criar o nosso maior serviço de sempre. Não podemos ainda deixar sair o gato do saco, mas posso dizer-lhe que o nosso objectivo é lançar um sistema completo de gestão de media online".

Streamload - BI rápido
CEO e fundador: Steve Iverson, 29 anos. californiano
Fundação: 1998, com 22 anos
História pessoal: Aluno do Colégio em Pomona (perto de Los Angeles) que resolveu criar uma "start-up" para concretizar a ideia da sua tese de curso sobre algoritmos para compressão de ficheiros
Aposta estratégica: Criação de um centro de media online
Slogans: Você paga o que usa; actualmente 22 mil assinantes em planos pagos, através do marketing passa-palavra; mande mega-ficheiros sem limites
Produto-estrela mais recente: xStreamMail que permite envio até 25 mil ficheiros num só e-mail até a um limite de 50 terabytes (50.000 gigabytes)
Palavras-chave: gestão de media online; centro de media online; mobilidade dinâmica
Localização: San Diego e Alemanha (onde têm um centro de dados)
Sítio na Web: www.streamload.com (que em breve terá cinco idiomas). O sítio foi desenhado por uma designer portuguesa, Patrícia Carvalho, e é ilustrado por outro português, Paulo Buchinho
Página Anterior
Topo da Página
Página Principal