Skyhook Wireless

A pioneira do WPS

WiFi destrona GPS em serviços de localização

"Start-up" de Boston lança sistema de geo-localização baseado nos "hot spots" sem fios, mais eficiente para áreas urbanas, como alternativa ao GPS e às antenas móveis

«O WiFi está a massificar-se e os aparelhos que o usam estão a multiplicar-se por milhões e continuarão a crescer. Por isso, a procura de serviço de localização vai disparar. O nosso objectivo foi criar um sistema de posicionamento fácil e barato que trabalhe com um software colocado nesses aparelhos da mobilidade que toda a gente usa no dia-a-dia», afirma Ted Morgan, fundador da Skyhook Wireless.

Jorge Nascimento Rodrigues, editor de Janelanaweb.com, Julho 2005, com Ted Morgan

Entrevista em inglês com Ted Morgan, o fundador, na secção
"Generation 21" em Gurusonline.tv

Sítio na Web

Vinte e cinco metrópoles dos Estados Unidos passaram a dispor, este mês, de um novo serviço de geo-localização de pessoas e de objectos com base na cobertura "WiFi" (sem fios), em alternativa aos sistemas existentes baseados em GPS, RFID (rádio frequência em redes dentro de edifícios) ou na triangulação através de antenas de operadores de telemóveis. O novo software foi baptizado de "WPS" - WiFi Positioning System - para se distinguir do GPS (Global Positioning System), o sistema de navegação por satélite controlado pelo Departamento de Defesa norte-americano.

O WPS levou dois anos a desenvolver pela Skyhook Wireless (novo nome da Quaterscope), uma "start up" de Boston, que iniciou os testes do software naquela área metropolitana. O novo sistema está operacional em áreas metropolitanas como, por exemplo, Nova Iorque (em Manhattan e Brooklyn), em todo o Silicon Valley e na Baía de São Francisco, em Filadélfia (considerada hoje a "Hot City", a líder no WiFi urbano) e Los Angeles. Ted Morgan, fundador e presidente do jovem "Anzol dos Céus", garantiu-nos que a cobertura chegará às 100 cidades nos EUA e que testes já foram desenvolvidos na área metropolitana de Londres e no espaço do Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo), as duas regiões prioritárias na Europa para implementação do software.

"A nossa vantagem em regiões urbanas densas é clara, quer na rua, como dentro dos edifícios. O GPS funciona mal nestas áreas congestionadas e não é operacional dentro de edifícios. Os sistemas de localização baseados nas antenas celulares funcionam só dentro de edifícios, mas são pouco fiáveis. Por fim, alguns sistemas parentes próximos nossos só funcionam dentro de edifícios. Só não somos alternativa em regiões rurais", afirmou-nos Morgan, uma matemático, que fez carreira no comércio electrónico.

Sociedade da mobilidade

O trabalho prévio da empresa foi "scanerizar" cada rua das 25 cidades norte-americanas, construindo uma base de dados com mais de 1,7 milhões de pontos de acesso WiFi, desde edifícios públicos, empresas, "campus" universitários, hotéis até aos cafés de esquina da Starbucks, hoje um dos "hot spots" da moda mais concorridos.

«A nossa vantagem em regiões urbanas densas é clara, quer na rua, como dentro dos edifícios. O GPS funciona mal nestas áreas congestionadas e não é operacional dentro de edifícios. Os sistemas de localização baseados nas antenas celulares funcionam só dentro de edifícios, mas são pouco fiáveis. Por fim, alguns sistemas parentes próximos nossos só funcionam dentro de edifícios. Só não somos alternativa em regiões rurais.»

O software é claramente dirigido à emergente "sociedade da mobilidade" - nos últimos meses, dezenas de cidades por todo o mundo começaram a implementar o WiFi generalizado para acesso à Internet a baixo custo ou até de graça. "O WiFi está a massificar-se e os aparelhos que o usam estão a multiplicar-se por milhões e continuarão a crescer. Por isso, a procura de serviço de localização vai disparar. O nosso objectivo foi criar um sistema de posicionamento fácil e barato que trabalhe com um software colocado nesses aparelhos da mobilidade que toda a gente usa no dia-a-dia", explica Morgan. O software usa a base de dados dos "hot spots" para determinar, em menos de um segundo, a localização, com uma precisão de 20 a 40 metros, do aparelho "carregado" com WiFi que se pretenda, seja ele um telemóvel inteligente, um PDA, um PC ou um portátil, ou mesmo um etiqueta para identificação por rádio-frequência (RFID).

Não será de admirar que o negócio ligado aos serviços de localização venha a disparar. "A localização passará a ser um elemento mais em cada aplicação", sublinha Morgan. Basta pensar mas áreas da logística, publicidade e marketing, serviços de busca e salvamento, serviços de "utilities", localização de objectos "móveis" ou portáteis perdidos ou roubados (600 mil por ano, só nos EUA), informação pessoal ao cidadão ou ao turista (onde está o multibanco mais próximo, o restaurante, a farmácia, o cinema, o hotel, o museu) e localização de pessoas (que tenham um aparelho com WiFi).

O sistema da Skyhook Wireless só corre, por agora, nos sistemas operativos Windows XP e Windows Mobile, e em breve correrá nos Palm. No futuro, Morgan quer que os sistemas de localização Web do Google ou do Yahoo! possam incorporar esta mais-valia do WPS.

O fundador da empresa garante que a transição, no futuro, para adaptação ao protocolo WiMax (acrónimo para Worldwide Interoperability for Microwave Access, que será mais rápido e de maior alcance que o actual WiFi) será possível.

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal