O nosso homem no offhsore do Brunei

David Mendes, um engenheiro de ambiente, foi para o Sultanato asiático atrás de uma paixão e acabou envolvido no ouro negro.

Apanhámos David, a poucos dias de fazer 31 anos. No intervalo da saída das águas do Sultanato da plataforma 51 de perfuração da Ensco Oceanics, onde David se deslocava semanalmente. Em breve o jovem quadro português iniciará actividade para a Brunei Shell.

Jorge Nascimento Rodrigues, editor de www.janelanaweb.com, Agosto de 2007

Tudo começou com uma história de amor. David Mendes, 31 anos dentro de dias, acabou no distante Brunei, no norte da grande ilha de Bornéu, por uma seta de Cupido. Um acaso que projectou mais um quadro português na Ásia. Hoje é o único cidadão luso no pequeno sultanato que é o primeiro exportador de gás liquefeito do mundo, que tem um PIB per capita 30% superior ao português (em paridade de poder de compra) e que é conhecido por ser governado por um dos homens mais ricos do mundo.

A história conta-se rapidamente, mas não foi um passeio de jardim. O jovem estudante de engenharia de Ambiente da Universidade de Aveiro encontrou SiewPing, uma estudante do Brunei de ascendência chinesa, numa bolsa do Erasmus na Universidade de Nottingham, na Inglaterra. A paixão bateu forte. Viveram o amor à distância, intercalado por idas e vindas, durante dois anos, até que uma decisão teria de ser tomada: "A ideia inicial era que a minha namorada viria para Portugal. Mas como a nossa economia estava difícil seria complicado ela arranjar trabalho. Então, tentei eu arranjar emprego no Brunei à distância e durante umas férias lá, mas sem sucesso. Até que optei", recorda David.

A janela do Ambiente

Decidiu deixar tudo para trás e comprar um bilhete de avião em meados de 2002 e "tentar a sorte no Brunei". "Encarei a busca de trabalho como um emprego a tempo inteiro", e penou seis meses, no meio de um enorme desconhecimento local sobre Portugal (com excepção dos "craques" do futebol, como Figo e Ronaldo). Finalmente, uma das candidaturas resultou num emprego na área da certificação da qualidade e David também casou segundo as tradições chinesa e portuguesa.

Três anos depois, entrava em contacto com a janela de oportunidade no mundo dos petróleos através de um outro português que então trabalhava no Brunei para a Schlumberger. "A indústria dos petróleos sofre de grande carência de pessoal qualificado. A Ensco, uma empresa texana de gestão de plataformas de perfuração de petróleo, precisava de alguém, no Brunei, para a gestão da área de ambiente, higiene e segurança e foi o momento certo", diz-nos. "O Ambiente é uma das áreas de crescimento na indústria petrolífera", remata, chamando a atenção para esta saída profissional de engenheiros desta área.

Agora, David considera-se um "expatriado do petróleo". Tomou o gosto pelo "offshore" - três dias por semana, de madrugada, viajava às plataformas de perfuração, "um ambiente duro, onde para se sobreviver há que evitar conflitos". Em breve começará uma nova actividade na Brunei Shell e não põe de parte, no futuro, "quando os filhos - espero ter três - forem crescidos", agarrar uma oportunidade noutro país petrolífero, então, de língua portuguesa.

Vive com a mulher em Seria, a "cidade do petróleo" montada pela Shell, que fica junto à costa, a uns 100 quilómetros da capital, e que é o coração do ouro negro desde que foi descoberto naquela zona em 1929.

David é um apaixonado das caminhadas e das escaladas de montanha e faz parte do comité da Sociedade de História Natural Panaga. Um dos projectos recentes desta sociedade é o 'Coração do Bornéu', que pretende preservar uma imensa zona de floresta virgem.

Nos últimos meses David podia ser visto semanalmente na plataforma de perfuração 51 da empresa texana Ensco que no "offshore" do Brunei abriu poços para a Shell Brunei até este mês de Agosto. David era responsável pelo ambiente, higiene e segurança da plataforma.

PERFIL
David Mendes
31 anos.
Engenheiro de Ambiente pela Universidade de Aveiro.
Especialista em sistemas de Ambiente, Saúde, Higiene, Segurança e Qualidade.
Autodefinição: "expatriado na indústria do petróleo".
Está no Brunei desde 2002, tendo passado pela Shield International e pela ENSCO Oceanics (empresa texana que opera plataformas móveis de perfuração para construção de poços de petróleo).
Deverá começar a trabalhar com a Brunei Shell Petroleum em Setembro de 2007.
Casado com uma cidadã do Brunei, engenheira da Shell. Esperam a primeira descendência para Outubro.

Página Anterior
Topo da Página
Página Principal